[000] The corners of the world our mere prologue

Ir em baixo

[000] The corners of the world our mere prologue

Mensagem por Katakuri em Ter Out 16 2018, 11:21

Enquanto esperava o Ônibus em Opelucid City em direção ao Aeroporto, para viajar para Littleroot City, peguei a pokebola que meu avô me dera... o presente de aposentadoria dele como curador do museu da cidade, um Trapinch. Eu sabia que aquele gesto foi um exemplo de compaixão muito grande, ele nao tolerava pokemons do tipo dragão, dizendo ser bestas indomáveis e que so traziam agouro... nunca entendi o porque dele ter tanto rancor, mas mesmo assim ele abriu mão do seu orgulho e desprezo pelos dragões e me auxiliou em minha jornada. A pokebola parecia um pouco velha e desgastada, indicando que provavelmente nunca fora usada antes. Peguei a mesma, apontando seu centro para o banco e apertei, querendo que o Trapinch saísse... porém nada, pelo visto eu sou tão noob que nem o pokemon quer sair da pokebola, pensei..

Depois de um tempo apertando e tocando a pokebola, desisti... talvez estivesse quebrada e o pokemon morrido, qurm sabe. Resolvi então testar a sorte e arremsseia para cima. Ela subia e descia girando, até tocar o chao... e de repente, por incrível que pareça, o pokemon saiu! Todavia, não era bem o q eu esperava... diferente de outros pokemons dragão  que via pela televisão ou batalha, ele não parecia bem um dragão...estava mais para um Pac-Man com 4 patas e de cor marrom.

O pequeno pokemon olhava para os lados, como se tudo aquilo ali fosse assustador... eu entendia, para os de fora Opelucid City era bastante "high tech", com altos prédios e transpirando tecnologia, para um pokemon que provavelmente pouco viu do mundo deveria ser um choque e tanto, pensei, rindo para mim mesmo.

Eu sentei no chão junto dele... e ele não pareceu estranhar a presença humana o que ia de encontro com meu pensamento anterior dele nunca ter sido usado... será que meu avô o usou? pensei. Ele me observava, reparando em tudo... creio que não seja o melhor exemplo de um "ser humano" para este pokemon, pensei com um sorriso no rosto. Entretanto, após alguns segundos, ele sentou em minha perna e ficava pulando... acho que a teoria que rola na cidade que os habitantes de Opelucid  tem "sangue de dragão" era verdade, pensei.

Eu o acariciei, fazendo o parecer bem contente. Equanto fazia isso, olhando-o, lembrei o que meu pai me dizia: "todo pokemon que capturamos deve ter um nome, faz com que eles se sintam pertencentes a algo, os da identidade, são únicos, os fazem mais fortes... a palavra tem poder, filho!". Creio que as palavras de meu pai eram perfeitas e fiquei pensando em um nome... porém o Ônibus chegou e em Opelucid não se podia andar com pokemons nos veículos de locomoção coletiva, deu um abraço no Trapinch e tive q fazer volta-lo para a pokebola... tomara que ele não saia no meio trajeto, iria me fazer ser expulso do busão.

Durante o trajeto fiquei pensando em tudo aquilo, totalmente absorto... Nossa!! eu tinha um pokemon! Mesmo sendo um que não parecesse um dragão, era meu e eu o deixaria tão forte que se tornaria um dragão, pensei com grande alegria. No meio dos meus pensamentos sobre aquele momento único, lembrei que deveria escolher um nome. Após muito tempo refletindo, finalmente me veio um! Decidi homenagear o minha avó, a pessoa que eu menos esperava, mas que me incentivou a seguir minha jornada, o Trapinch se chamaria Aegon, o nome de minha avó!. Creio que devo ter pensado muito alto, pois o Motorista bateu palma e disse que a parada do aeroporto já havia passado há 20 minutos! Aterrorizado, peguei minha mochila e desci do Ônibus às pressas, com o Motorista me desejando sorte na jornada e rindo... a desgraça dos outros é  sempre engraçada, pelo visto, pensei, me despedindo e agradecendo o motorista pelo aviso em tempo!

Cheguei ao Aeroporto suado e esbaforido, foram muitos quilômetros correndo para não perder o avião. Cheguei no Portao de Embarque quase encima da hora, mas consegui embarcar, ainda bem. Sentei no meu lugar, perto da janela e voltei a ficar absorto em meus pensamentos... o que será que meus pais achariam dessa decisão? ficariam zangados... bem eles não pensaram muito na minha pessoa quando decidiram se apresentar em outro continente e passar 5 anos fora, então que se exploda! pensou, com raiva.

Depois de um tempo, o jovem dormiu, sonhando nas inúmeras aventuras que teria com seu novo pokemon.

Cheguei a uma pequena cidade e ainda tive q pegar outro ônibus em direção ao porto... chegar em Littleroot pelo visto era uma Jornada e eu estava louco para ficar mais tempo com meu Aegon :/. Mas ao chegar no porto, o capitão do barco que levava até meu destino final permitia pokemons no seu "bebê", ele era muito fã de pokemons e adorava vê-los pela embarcação. Logo, prontamente liberei o Trapinch:

Katakuri: bem vindo de volta, amigão! quero que seja livre de agora em diante, ficou muito tempo na pokebola já hahaha.
O pequeno pokemon pulava de alegria e começou a andar pelo navio, com seu treinador o acompanhando. Tudo parecia novo e interessante para o pequeno monstrinho.

Depois de algum tempo acompanhando o pequeno, Katakuri: Então... seu nome vai ser Aegon! espero que goste, é o nome de um grande conhecedor de pokemons hehehe
o pequenino se voltou ao seu treinador, o observando e então começou a da voltas ao redor do jovem, fazendo seu "Cry", parecendo ter gostado muito e alegrando tbm seu treinador.

Enquanto caminhava pelo barco, parou perto da proa e colocou um pouco de ração pokemon e água para Aegon, presentes do capitão que tinha adorado o Trapinch... sou tão noob que nem lembrei de me atentar ao fato de estar com um pokemon agora, tenho que cuidar dele como um filho hehehe.

De repente, um idoso se aproximou de mim, enquanto admirava o grande e lindo oceano, enquanto Aegon se alimentava: Velho: Que Pokémon majestoso! Trapinch não é um pouco comum de se ver assim, mesmo nesse continente...Parabéns!
Katakuri: muito obrigado senhor. Eu sou de Opelucid City,
nem sabia que ele era raro mesmo aqui, seu continente. Pouco conheço da região, estou indo para Littleroot tentar ser um mestre pokemon hehe...ah perdão pela falta de educação, sou Katakuri Dawn.

Velho: oh, eu que peço perdao! cheguei conversando e nem me apresentei, sou Silvers Rayleigh, criador pokemon de Kalos. Então, você quer ser treinador, uma carreira interessante para jovens... eu ja fui antigamente, mas percebi que por mais que batalhar fosse fascinante, criar os pokemons e aprender muito deles era melhor rsrs .
Katakuri: whoow! criador pokemon de Kalos vindo pra Hoen, muito chão, você parece ser muito empolgado mesmo com o que faz para andar isso tudo hehhe. Você é criador de que tipo?
Silvers: hahaha, de fato gosto muito mesmo! Adoro viajar pelo mundo em busca de novos pokemons. Por enquanto já passei uns anos em Kanto e Aloha, agora fui convidado para ficar um tempo por Hoen... mas não vamos falar mim, creio que como jovem treinador você deve ter muitas dúvidas, ja sabe o que fazer quando chegar em Littleroot?
Katakuri: Então, ai o senhor me pegou...Meus avós, com quem morava, nunca foram treinadores e meus pais estavam sempre viajando, nunca aprendi muito... mas adorava ver batalhas! Achei que em Littleroot eu ia aprender tudo...
Silvers: heheheh, não se preocupe, o início é  sempre assim mesmo, somos uma tábua rasa, esperando para aprender de tudo. O primeiro passo que você deve tomar é ir ao Laboratório da Cidade, lá você  vai encontrar o professor Birch, um colega meu. Ele vai lhe dar o que precisa para começar a jornada. De repente o celular dele toca e ele se despede, indo atender de forma reservada.

Que Maravilha! ja aprendi o que devo fazer na cidade! Que bom que encontrei este homem, queria aprender mais com ele, mas acho que vai ficar pra próxima, pensei.

Depois de Aegon comer, os dois foram para o quarto dormir,
o jovem estava exausto, mas mesmo assim fez questão de dormir junto de seu novo amigão, apesar dele ser muito agitad o, o jovem sempre soube que ter um filho era algo difícil, como sua avó vivia dizendo quando brigava com a mãe dele. O resto dos dias de viagem Katakuri continuou indo passear pelo barco, esperando encontrar o Silvers, porém ele nunca mais apareceu, pensando katakuri que talvez ele fosse muito ocupado mesmo
.

Após chegar no porto o jovem pegou um ônibus, com seu trapinch, pois o busão permitia pokemons pequenos e chegou finalmente em Littleroot!

Chegando na entrada da cidade, percebi que era bem bucólica, com casaa simples e muitas fazendas, além de uma grande área de floresta ao redor da cidade, um choque e tanto para um menina da cidade grande que nunca havia visto o mundo hehehe. Era tudo muito simples, porém organizado... e tinha uma beleza própria... será que eles tem wifi aqui? luz elétrica? pensei, rindo para mim mesmo.

Fui andando pela cidade, com Aegon no ombro, enquanto lia as placas tentando achar o Lab. Após perguntar para algumas pessoas, que tinham um sotaque bem forte, finalmente achei o lugar! Destoava totalmente da cidade, um prédio grande pelas laterais e parecendo ser bem tecnológico, um polo de civilidade nesse interior hehehe. Entrei e vi varias pessoas, entre homens e mulheres, em seus notebooks e mexendo nos aparelhos do lugar... era muito lindo, eu nunca tinha entrado no Lab de Opelicid... que pena viu! É muito lindo!

Enquanto ficava admirando o lugar, um homem de meia idade, um pouco gordinho, veio ao meu encontro: Birch: jovem, você deveria colocar o Trapinch no chão, pokemons de terra gostam de andar por ela, se sentem mais à vontade, você coloca-lo em seu ombro pode lhe causar enjoo
Katakuri: oh, perdão senhor, mas Trapinch é um pokemon dragão, creio que ele não ligue tanto para terra. Por um acaso o senhor conhece o professor Birch? gostaria de iniciar a minha jornada pokemon!
Birch:... Trapinch Pokémon dragão... ok, acho que vc nao deve ter uma pokedex ne? hehehe. Eu sou o professor Birch,
garoto Katakuri se surpreende e o cumprimenta, se apresentando vou aproveitar e pegar as 5 pokebolas e a vara de pesca, itens imprescindíveis na sua jornada... mas eu recomendaria qur você usasse a Dex logo no Trapinch, para não cometer equívocos hehehe


Katakuri entao recebeu seus itens: Pokedex, 5x Pokebolas, Rod e os 1000 pokedolars ele recebera de seu avô.

Após receber os itens e agradecer o professor Birch, usou a Dex no Trapinch e descobriu que ele era... do tipo terra!!! Se sentiu envergonhado e pediu desculpas, o professor Birch ficou rindo muito, mas falou que era normal. Por fim, perguntei pq um grande pesquisador estava alojado em uma cidade tão rural. Birch respondeu que era errado "julgar o livro pela capa" e que apesar de parecer sem "sal" a cidade e os arredores continham elementos de ecossistemas únicos que permitiam um estudo muito mais próximo dos pokemons em seu habitat natural. Depois da "aula", me senti péssimo por tratar a cidade tão mal e me desculpei, afirmando que iria ser mais humilde e aprender bastante sobre a vida. Birch deu um riso e me desejou sorte na Jornada.

Finalmente estava pronto para iniciar a jornada!!! Eu e Trapinch iremos dominar tudoooo... e so vou chamar Aegon de dragão nas evoluções hehehe
Katakuri
Katakuri
Monotrainer - Dragon
Monotrainer - Dragon

Alertas :
0 / 100 / 10


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [000] The corners of the world our mere prologue

Mensagem por Artie em Ter Out 16 2018, 18:31

Inicial entregue e perfil atualizado!

Fique a vontade para postar sua primeira rota em Littleroot ou proximidades! Boa jornada!

_________________
Artie
Artie
Administrador Chefe
Administrador Chefe

Alertas :
0 / 100 / 10


Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum