Pokémon Mythology RPG
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater –

Página 1 de 9 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte

Ir em baixo

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Empty [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater –

Mensagem por Shianny em Sex Ago 23 2019, 21:00

off:
Olá, querido narrador!
Essa é uma rota em dupla com o @Luch, que deve chegar… A qualquer segundo, eu acho!
Nós estaremos fazendo um crossover de Alice com Mágico de Oz, e espero que possa ser… Divertido?
Reservamos o primeiro post apenas para organizar nosso time/fantasia (ou seja, basicamente ele é mais… Técnico?). Inevitavelmente, o resto só pode vir depois Q
Enfim, é isso. Boa sorte para nós <3

~> Utilizando x01 Shiny Stone para evoluir: Roselia > Roserade!
~> Equipar Wide Lens no Rotom.

Caminho Escolhido: Treinador
Trio de Pokémons: Rotom Mow, Ivysaur e Roserade
[Bônus: 3x Grass Type]

Sobre a Fantasia: É algo meio entreisso eisso aqui, além de um paletó verde esmeralda (masculino), a cartola preta e uma maleta executiva marrom.

Inclusive: Bolamos um pequeno rascunho de backstory para a peça dessa rota, caso vossa senhoria tenha interesse! Vou deixar aqui embaixo, ó:

plot:
Os personagens a serem interpretados, respectivamente, serão o Mágico de Oz e o Espantalho. Na ideia dessa rota, os personagens originais da obra (o leão, o homem de lata, patati e patat- wait) tiveram suas ânsias devidamente satisfeitas ao fim da história pelo feiticeiro, com exceção do espantalho. Com uma atitude ainda meio boba, por assim dizer, ele levantou suspeitas na Cidade das Esmeraldas de que a magia não havia tido um resultado bom - ou pior, que não tinha efeito nenhum.
O Mágico, por sua vez, é um farsante. Óbvio, ele claramente não é capaz de fazer esse tipo de milagre, mas os habitantes não sabem disso, e ele tentaria qualquer coisa para proteger essa verdade. Para amenizar a situação pro seu lado, ele inventou que o caso do Espantalho era um pouco mais complicado do que previa inicialmente, e precisaria fazer uma viagem para buscar um método antigo que poderia resolvê-lo. Assim, juntos, partiram da cidade: Não é como se o Mágico tivesse algum plano, na verdade, ele só estava ganhando tempo enquanto pensava sobre o que poderia fazer.
No meio do caminho, porém (e essa é uma parte ainda meio nublada) eles são abordados pela bruxa má - ainda que não diretamente -, que vê uma oportunidade de se livrar do (ela acredita) poderoso mágico e, aproveitando um momento de “guarda baixa”, invoca um… Portal? Um furacão, talvez?, que arrasta a dupla para uma dimensão completamente diferente e bizonha - olá, País das Maravilhas!
Enfim, acredito que o plot pode ser meio que… Eles tentando voltar pra casa? Não sei. Vamos resolver/passar por problemas juntos e criar nossa história )o)
Espero que esse resuminho possa ter dado algum norte! Ademais, vamos à rota! <3

Enfim, o Teatro.

Após tanto tempo investido não apenas no desenvolvimento de seus pokémons, como em viagens de cá para lá - e vice versa - para que pudessem organizar tudo dentro do prazo, o fato de estarem ali de verdade quase se tornava surreal, digno de conto de fadas - e, por ironia ou não, até podia dizer que era exatamente disso que a peça se tratava, tecnicamente… Outro fato impressionante, aliás, era como a cidade parecia ter se transformado e adaptado para receber o curioso mundo de Alice pulsando em cada esquina, fosse pelas decorações espalhadas pelas ruas ou mera e somente por sua existência animada na boca de, supunha, cada uma das pessoas que marcavam presença, naquele exato momento, em Forina. Tinha consciência de que o evento teria um porte tão grande, senão mais, quanto a própria Wallace Cup, mas testemunhar as proporções que ele havia tomado verdadeiramente era quase assustador.

Talvez fosse por isso que sentia as mãos trêmulas, enquanto tentava preparar tanto a si quanto a seus companheiros para o espetáculo iminente. Ainda estava meio incrédula, na verdade, sobre como haviam conseguido passar com aquela ideia maluca de mistura de obras mas, ainda que estivesse feliz com o fato, era incapaz de impedir o nervosismo que subia à cabeça em uma velocidade aterradora. Quer dizer, se estragasse qualquer coisa, não seria ruim apenas para si, como no caso de uma competição individual - mas também para Luch, e todo o elenco!

Teria sido uma boa ideia, realmente, aceitar participar daquilo?


Com um suspiro pesado, o olhar analisou novamente o trio gramíneo, que relaxava no momento anterior à apresentação. Para sua felicidade, não tinha que se preocupar com o figurino dos animais, visto que mesmo seu natural combinava perfeitamente com a ideia da Cidade das Esmeraldas, com seus vibrantes tons esverdeados… Quer dizer, bem, Rotom era uma exceção à regra, mas a aura que envolvia o fantasma e sua capacidade de distorção acabavam se encaixando com a ideia do ilusionismo do mágico, então tudo tinha dado certo no fim.

— Ei, pessoal! — Não era necessário muito mais para captar a atenção dos bichinhos, que logo se aproximaram. O cortador de grama, pra variar, foi o primeiro a avançar, numa aceleração rápida - e parecia estar se divertindo imensamente com a brincadeira de suas rodas, aliás. — Olha, eu sei que a ideia desse tipo de atuação vai ser nova pra vocês… Lembrem-se que precisamos prolongar o máximo possível os confrontos, também. Mas, principalmente, tentem se divertir, ok? — Pediu. Se abaixou, então, junto ao elétrico, retirando do bolso a lente comprada anteriormente e a ajeitou como um monóculo para o animal. O formato mais moderno do objeto fez um bom casamento com o visual do pokémon, e a moça deu-se por satisfeita com esse complemento. O elemento principal, porém, não envolvia o metamorfo, e a ruiva se levantou outra vez — Roselia? — Chamou. O venenoso respondeu com um breve agitar de suas rosas, e observou em silêncio quando a garota se afastou por um momento até a mochila e, dali, retirou uma cintilante pedra de tons claros. Sem demora, retornou para perto do tímido companheiro, que encarou o item com uma dúvida cintilante no olhar. — Tenho um último retoque para você. — “Explicou”. Então, com suavidade, encostou o item evolutivo contra o peito do animal.

Num primeiro momento, nada chegou a efetivamente acontecer, mas a moça tinha paciência. Precisaram de mais alguns segundos antes que o objeto começasse a cintilar com suavidade, finalmente reagindo com o contato empregado e, num estouro de luz, o brilho envolveu o espécime e sufocou sua imagem naquele manto luminoso, ocultando suas características e permitindo o vislumbre apenas do formato de seu corpo, que gradualmente começou a se transformar e alongar - primeiro os membros, e então os espinhos em sua cabeça, que se enrolaram e desabrocharam. Aos poucos, a ruiva também sentiu a densidade da pedra em suas mãos se esvair e permitir engolir pelo pokémon à frente, mas apenas ficou em silêncio, observando sua metamorfose que tão pouco tempo durou antes que o invólucro brilhante se rachasse e partisse em mil pedaços, caindo como uma chuva prateada ao redor do mais novo Roserade. O pokémon, agora buquê, olhou para as flores em suas próprias “mãos”, com uma expressão confusa em primeiro momento, mas aos poucos foi encaixando as peças e o rosto se iluminou - num giro breve, admirou a si mesmo, emitindo um cry animado, que arrancou um sorriso cheio de graça da treinadora.

— E, agora… Vocês tirem um tempo para descansar. Daqui a pouco já devemos entrar! — Finalizou. Um a um, retornou os pokémons para suas devidas esferas, e as guardou com paciência - e teve que lidar sozinha com o peso do nervosismo, e as crescentes dúvidas e receios que tentavam se apoderar de sua mente.

Por fim, com uma respiração profunda, arranjou coragem para observar o espelho. Por mais que tentasse disfarçar, sabia que já passavam três dias que não o fazia, e não era por simples coincidência. Mas eis ali, novamente, um evento que a obrigava a encarar o próprio reflexo, querendo ou não. Começou por baixo, pelos sapatos sociais masculinos pretos - muito bem engraxados, por sinal -, e tentou se distrair com o pensamento de como era engraçado se ver naquele tipo de calçado. Passou pela calça de tecido liso mesma cor, até chegar na camisa social branca de manga longa e, consequentemente, nos suspensórios que marcavam caminho na imensidão clara da peça superior.

Foi obrigada a desentortar a gravata borboleta que pendia no pescoço, e repuxou suas bordas com suavidade, remexendo no curto tecido extra que recaía do laço por sobre o peito - que, aliás, tinha sido pressionado com algumas voltas de bandagens, visando ocultar o volume que, de outro modo, acabaria marcando o figurino. Como complemento mais importante, óbvio, a cartola preta, que recuperou da mesa ao lado e colocou sobre os cabelos ruivos devidamente presos, com o auxílio de grampos, em um elegante coque baixo. Tirou o paletó verde esmeralda do cabideiro e o apoiou no ombro, dobrado verticalmente ao meio e, por fim, alcançou a maleta executiva marrom, que até pouco tempo estava ao lado da cartola. Abriu, apenas para conferir uma última vez se os Full Restore e as frutas estavam devidamente armazenados e, feito isso, a travou novamente e pegou pela alça, dando uma última espiada no reflexo - respirou fundo, e esfregou o rosto. Agora que já estava ali, não teria condições de simplesmente recuar e fingir que nada aconteceu, então… Restava tentar acalmar o coração, a mente e, acima de tudo, tentar fazer um bom trabalho.


E partiu, em busca do diretor.

_________________
O amanhã é efeito de seus atos. Se você se arrepender de tudo que fez hoje, como viverá o amanhã?
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Zeu0QEE
Awards:

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – X8CiA0c
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – AmfIeHk
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – S0VhG2V
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – A8MPG3J

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – WVpeL22

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 2pH6RHk

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – WL5BZPt

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – DqszD3a

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Bwv3ggV
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – NzcamXa
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – QdG0v0p
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – IpH0IzM
Shianny
Shianny
Mestra

Mestra

Alertas :
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Left_bar_bleue0 / 100 / 10[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Empty Re: [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater –

Mensagem por Luch em Sex Ago 23 2019, 21:02

OFF:
Usarei Meowth (Silk Scarf já equipado), Ivysaur (Equipar Miracle Seed) e Honchkrow (Equipar Metal Coat)

Restando tão pouco tempo para a estreia do Evento Teatral em Forina, quem se mostrava verdadeiramente um vilão para nós dois era o bendito do relógio… Já não era novidade alguma que tínhamos um prazo apertado para definir nossos papéis e a história que gostaríamos de contar em nossa apresentação, mas sinceramente… Havia tanta coisa secundária a ser feita antes da peça, que parecia não haver mais chances de termos uma epifania capaz de nos trazer um roteiro ideal em menos de três dias. Bem… Ao menos era o que pensávamos, até Natalie surgir com uma ideia, no mínimo, genial! Buscando fugir do clichê da história original de Alice, Naty propôs que buscássemos inspiração para nossos personagens em outra grande obra literária clássica, O Mágico de Oz. Esta sugestão surgiu como uma ideia inocente, em um papo bastante informal enquanto voávamos de Lilycove para Forina, com todas nossas compras emergenciais.

Durante o voo, a ruiva fez uma brincadeira sobre esse possível “crossover”, mas ainda era uma ideia crua e improvável. Entretanto, com o debate certo e com as ideias não tão mirabolantes sendo incluídas de modo mais sensato, esta sugestão tornava-se cada vez mais viável. O desenvolvimento estava tão bom nessa linha de raciocínio, que depois de chegar em Forina, partimos direto para nosso quarto, pegando lápis, papel e o constante auxílio de nossos PokéNav Plus com o intuito de pesquisarmos e escrevermos material suficiente para servir de um belo pontapé criativo ao Diretor que nos assumiria no Festival. Pois bem, com algumas horas de sono a menos em nosso currículo, mas muita força de vontade e alegria em nossos corações, finalmente concluímos uma base interessante, que só precisava é claro, ser transformada em um roteiro de peça, pelos profissionais responsáveis… Tendo ao menos por onde começar, fomos no dia seguinte em busca de um Diretor que aceitasse essa complicada missão.

Admito que, achar um diretor ou diretora, firme o bastante para aceitar um texto semi-pronto e preparado pelos próprios atores, não era uma tarefa fácil, mas abraçamos essa possibilidade! Além do mais, restando menos de dois dias para o Evento, acreditava fielmente que apenas os profissionais mais dedicados, impulsivos ou masoquistas acabariam se envolvendo de cabeça no projeto. Felizmente, esse tipo de criatura realmente existia, apesar de eu não estar completamente certo sobre sua natureza... (para meu pavor, ele reunia as três ou mais possibilidades de personalidade). O homem leu, releu e girou o papel, tentando ver algo a mais, terminando a leitura com um grande sorriso no rosto, mas... Estampado também uma  expressão de quem tinha mais dúvidas do que respostas… Por sorte - ou não - isso foi o bastante para convencê-lo a se incluir no projeto e, nos dois dias que se sucederam, a ideia principal foi exaustivamente discutida entre todos nós, que precisávamos alternar nossas atenções entre alterar algum detalhe ou focar mesmo é no ensaio o quanto antes!

Apesar do tempo que nos restou, os resultados pareciam promissores! Ensaiamos incessantemente, até quase à exaustão, principalmente no dia anterior a peça. A imersão no projeto foi tão grande, que na noite que antecedeu a estreia, tivemos sonhos semelhantes entre si, além de bastante estranhos para os padrões de sonhos que costumávamos ter… Era como se o universo dessas obras tivesse deixado marcas em nossas mentes de tanto contato que havíamos tido nas últimas horas. Bizarro! Mas enfim… Se isso fosse nos ajudar de alguma forma, eu digo que seria extremamente bem-vindo! Até o fim do Evento, é claro... Talvez tenha sido pela ansiedade ou talvez pelo próprio sonho, com um quê de pesadelo ocorrido durante a última noite mal dormida, mas Naty e eu acordamos bem cedo na manhã desse Grande Dia. A quantidade de energia acumulada na gente era explosiva, por isso não tive nem tempo de enrolar na cama pela acordar. Comecei logo a me arrumar e também aprontar meus Pokémon, principalmente Meo-Mey, que usaria uma divertida mini-fantasia de espantalho, para me acompanhar. Além dela, estaria acompanhado de Ume e Lenora… A Ivysaur representaria a planta, da plantação que o Espantalho se preza a cuidar e Lenora, uma corajosa Corvo, que não se intimida pelo bobo personagem, mesmo que o normal fosse temê-lo. Por sorte, eu não precisava caprichar tanto no meu visual, afinal era como um boneco cheio de palha em roupas “caipiras” e foi exatamente isso que eu fiz, tanto para mim, como para a Meowth.

— Fique bem quietinha Mey, essa palha espera, eu sei. Mas você vai ficar linda quando terminarmos e estivermos iguaiszinhos... — Comentei com a Pokémon, vestindo-a com uma blusa e calça largas, amarrando as vestimentas na altura dos pulsos e canela para que as palhas que colocasse não vazassem… Em seguida, comecei a jogar a biomassa dentro das roupas, em quantidade suficiente para deixá-la parecendo um grande travesseiro de feno ou algo parecido. A felina observava as vestimentas sem entender de fato as necessidades dela, puxando o pano e o esticando, apenas para soltar e reclamar de tudo aquilo com um miado longo e sofrido. Cortei as murmurações ao enfiar o pequeno chapéu de palha em sua cabeça, passando a  focar apenas na minha arrumação, que ainda precisava de muito pela frente...Enquanto isso, pensava em Natalie e no trabalhão que devia estar tendo para finalizar sua fantasia… Ela sim tinha um grande desafio pela frente, o que talvez me desse tempo de terminar uma maquiagem extra, deixando-me com mais cara de bobo, com uma expressão fixa e que chamava a atenção, mas também divertia e intrigava, como meu personagem exigia… E assim que finalizei todo o figurino, adicionando o chapéu cacomido de palha também, liberei Ume e Lenora para relembrar como elas deveriam agir. Honchkrow precisaria usar e abusar de sua imponência e quase arrogância para, sempre que possível, ameaçar a Ivysaur inocente, enquanto a própria precisava esbanjar ingenuidade, sempre tentando esconder-se atrás de mim, um pacato e nada assustador espantalho. Mas enfim… com isso, finalizava os preparativos para o Teatro. Restava apenas deixar o camarim e ir até a coxia do Teatro, encontrar Natalie e o Diretor para as últimas orientações e assim o fiz de uma vez.
Luch
Luch
Administrador Bronzeado

Administrador Bronzeado

Alertas :
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Left_bar_bleue0 / 100 / 10[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Empty Re: [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater –

Mensagem por Ancião em Dom Ago 25 2019, 16:27

Off: oi

 Uma dupla muito falante surge no evento ancorado na cidade de Forina e enquanto cada um ensaia suas respectivas partes e coloca seu Pokémon no meio das opções de trincas possíveis.

 Tudo feito e escolhido era hora de começar...

 Com uma bela ideia de combinação a dupla encontra o diretor da peça, a diretora. Uma mulher com cabelos negros, olhos de ave de rapina e a estatura de um poodle. Mas era ameaçadora.

- Mais atores iniciantes, gostei da fantasia, criança - aponta para a jovem treinadora - Vamos começar o ato 1, certo.

 Com a mão levantada aponta para a parte de trás do palco, era hora de iniciar a peça, as orientações eram seguir o script que a dupla trouxe, a diretora estava com bom humor hoje, teve visitas....

 Como iniciariam esse roteiro? A diretora cantarolava uma música, uma referência de outra obra de arte famosa.

Como iniciariam? [MÚSICA AQUI]
Ancião
Ancião
Treinador - Criador

Treinador - Criador

Alertas :
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Left_bar_bleue0 / 100 / 10[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Empty Re: [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater –

Mensagem por Shianny em Seg Ago 26 2019, 04:26

off:
OI, PÊ!!!
Parece até ilusão que você tá aqui, omg, quanto tempo não te vejo
CUIDA BEM DA GENTE, VIU? Farei o meu melhor <3
E vamo simbora atrás desses prêmio tudo, grrr!!!

Por sorte, a busca atrás da responsável por dirigir a peça - uma mulher baixinha de olhar penetrante - não se prolongou. Entre toda aquela confusão de atores correndo de um lado para o outro nos bastidores, indiciando que o prazo fornecido para que se arrumassem já chegava ao fim, era incrível como parecia ter encontrado um fluxo próprio que a guiara diretamente ao encontro da diretora. Não só ela, aliás, como também seu parceiro de palco, e a ruiva não pôde evitar um breve sorriso quando o olhar encontrou o do rapaz, e pôde observar o seu figurino, achando graça imediata ao reparar na maneira como a maquiagem havia sido feita para deixar suas bochechas rosadas, fato que incrementava o ar "bobinho" do personagem.

Infelizmente, porém, não teve tempo para se dirigir à ele, pelo menos em um primeiro momento. A atenção foi cobrada quase instantaneamente (ainda que não em palavras diretas) pela mulher e, para seu alívio, a primeira coisa que saiu de sua boca foi sobre como tinha gostado da fantasia, fato que a treinadora respondeu com um sorriso tímido e um discreto "Obrigada". Não foi uma interação que perdurou, de qualquer maneira, visto que os ponteiros do relógio não paravam de correr e a própria encarregada os lembrou disso, apontando na direção do palco e indicando que deveriam se apressar para iniciar a peça. A ruiva, por sua vez, não teria chances - e não ousaria, se pudesse - de contrariar, então se limitou em concordar e agarrar a mão de Drac para puxá-lo na direção da área em que deveriam iniciar sua obra, rascunhada às pressas e que, ironicamente, realmente aconteceria!

Não demonstrou, inicialmente, o nervosismo que sentia correr por suas veias - mas, em contrapartida, sabia que talvez o tutor tivesse consciência plena do fato, considerando a maneira como sentia as próprias mãos tremendo e, na realidade, sentia até mesmo as palmas meio suadas. Ter o peso de toda uma apresentação sobre os próprios ombros (Maldição, por qual cargas d'água tinha ficado justamente com um dos papéis que apareciam tipo... 100% do tempo???) era... Sufocante. Como bem dito, porém, já estava muito tarde e em cima da hora para que pudesse sequer cogitar desistir de tudo e fugir pra debaixo dos lençóis em algum quarto qualquer no Centro Pokémon.

Ainda não tinha certeza se deveria estar ali.
Ainda não sabia se conseguiria.
Ainda - e tinha medo de descobrir uma negativa, muito em breve.

Respirou, fundo. Em fato, só foi capaz de recuperar o ar quando os pés estancaram à borda da cena que estava sendo montada (que se tratava da entrada de Alice no País das Maravilhas, logo no cômodo da pequena porta), às pressas e cuidadosamente, pelos funcionários do Teatro. Apenas os últimos ajustes eram necessários, ao que tudo indicava, mas não acreditou ser de bom tom adentrar a área antes que os rapazes se retirassem. Os dedos apertaram a alça da maleta que carregava, suaves, e os que estavam entrosados nos do treinador pareceram fazer questão de imitar o ato.

— E-Então... — Gaguejou, e os ombros se encolheram, suaves. — Você acha que a gente consegue, mesmo? — Questionou, em baixo tom. Os orbes cinzentos em momento algum recaíram sobre sua imagem outra vez, bem mais preocupados com as cortinas fechadas logo ao lado do palco, apesar de que já era capaz de ouvir o burburinho provindo da, imaginou, plateia. — ...E se eu estragar tudo, mesmo? — Outra pergunta, embora essa tenha sido mais baixa e, sinceramente, mais para si que para o rapaz. Uma leve mordida no lábio inferior aconteceu, e precisou respirar fundo mais uma vez. Dentro do peito, o coração batia num ritmo assustadoramente descompassado, e se questionava se teria capacidade de encenar por tão longo período.

Devagar, soltou a mão do companheiro de cenário, e esfregou as próprias na calça para que pudesse secá-las, alternando-as, evitando ter que largar a maleta no chão durante esse processo. Ter trabalhado para pensar num contexto tinha sido fácil, e mais ainda ao dividir a ideia com o moreno e encontrar nele o suporte e a animação necessária para que se contagiasse mas, estar ali, com a peça tão iminente, era como um baque de realidade totalmente diferente que a assombrava, querendo ou não. O mais ínfimo pensamento de como seria obrigada a se apresentar na frente de sabe-se lá quantas pessoas era tenebroso. Se tudo desse errado, o trabalho de quantas pessoas será que teria estragado? A maioria delas, senão todas, com certeza nunca mais olharia na sua cara - quer dizer, não que realmente conhecesse tantas assim, em realidade só tinha proximidade com o Valassa, mas enfim.

...Urgh.

— ...Enfim... — Murmurou. Com a mão livre, esfregou o rosto, respirando devagar - para sua sorte, não havia precisado de maquiagem, ou provavelmente teria borrado tudo naquele ato quase involuntário. — Boa sorte pra gente, eu acho. — Deu um sorriso nervoso, e movimentou os ombros. — ...Ou quebre a perna? Acho que também funciona, se o universo não levar ao pé da letra... Ou perna, no caso. — Emendou, franzindo o cenho com sutileza. Imagine só, entrar pra uma "competição" artística e sair com uma fratura? Pfft.

Por conta própria, não ousou olhar para o rapaz - mas apenas por culpa da ansiedade que consumia sua alma. Com o último sinal mudo da equipe de cenário que logo se retirou, a moça engoliu saliva, respirou fundo e adentrou a área. Reparou nos pisos quadriculados, que lembravam bastante um tabuleiro de xadrez. Tentou se distrair com eles, além de com a lembrança do desenho animado feito para o livro, há muito tempo. Pacientemente, retirou a cartola da cabeça e, quando os pés frearam, se abaixou e jogou o chapéu um pouco para frente, observando-o rolar no chão por alguns metros e perdendo velocidade devagar e ainda balançar algumas vezes para lá e para cá antes de finalmente parar no lugar, inerte. A ruiva, então, vestiu o paletó (pouco depois de amassá-lo um pouco entre os dedos), e propositalmente o deixou torto, com uma das mangas "caindo" pelo braço; Também entortou a gravata, ainda que com pesar. Já com a maleta, a colocou sobre o piso antes de empurrá-la mais para longe, observando o objeto deslizar e se afastar. Enfim, deitou no chão, largando o corpo de qualquer maneira e fechando os olhos - imaginando que Luch faria o mesmo.

"Concentra, Natalie.", sussurrou para si mesma, em pensamento. "Viva o papel, e vai ficar tudo bem. É só sentir.", tentou se convencer.

Não sabia se teria um narrador explicando a história - apesar de que logo descobriria, se a resposta fosse positiva -. O alerta do início da peça (para si) aconteceu quando, de repente, ouviu o barulho violento e traiçoeiro de um furacão que gradualmente aumentava de volume. Os dedos se apertaram com sutileza contra o chão, mas não se moveu - não poderia, não deveria, não tinha por quê. O som prosseguiu por uns instantes e, embora com dificuldade, percebeu o chiado do tecido quando as cortinas foram abertas. A parte mais óbvia foi quando o som da catástrofe natural amenizou, até simplesmente desaparecer.

Contou um, dois, três segundos.

Viva o papel.

***

Quando começou a abrir os olhos, não sabia onde estava. A primeira reação, ainda que lenta, foi movimentar as mãos na superfície lisa do piso, e um gemido dolorido escapou enquanto forçava as palmas contra o chão e buscava apoio pra erguer o corpo, devagar. O rosto permaneceu voltado para o padrão xadrez por um momento, e apertou as pálpebras novamente antes que o tronco encontrasse sustento o suficiente para se erguer. Sentou-se sobre as próprias canelas, e ergueu a face para cima, apertando as pálpebras e tentando acostumar a visão com o novo cenário - quando se abriram completamente, porém, o cenho se franziu, confuso.

— Mas onde raios...? — Questionou, para ninguém em específico. Uma das mãos se levou à cabeça em confusão, mas simplesmente atravessou o ar - não teve reação por cerca de três segundos, os dedos parados no ar, antes que enfim a outra mão se juntasse à primeira e pousassem de imediato contra os fios ruivos, apertando-os de leve. Um sobressalto transpassou sua expressão, como se tivesse levado uma descarga elétrica. — Meu chapéu! — Exclamou, e um olhar atordoado passeou em volta, agitado, antes de enfim se deparar com o acessório largado no chão, lateralmente. Pareceu se acalmar por um instante, liberando um suspiro pesado - então, jogou o peso para os pés, fez um pouco de força e tomou o impulso necessário para se colocar de pé. O rosto se baixou para as próprias roupas, e fez uma expressão desanimada ao reparar o próprio estado. — Diabos, olha só pra mim... — Resmungou. A primeira coisa que arrumou foi o paletó, vestindo-o por completo, e puxou brevemente as lapelas, correndo os dedos por elas e as desamassando - tanto quanto podia -, arrumando as mangas e acertando a peça de roupa sobre o próprio corpo. Segurando as pontas da gravata, a endireitou no pescoço, erguendo o queixo no processo para que o fizesse com mais folga e conforto. Então, caminhou para a cartola até então abandonada, se inclinando sem sequer ver necessidade de dobrar os joelhos, recuperando o chapéu na mão e esfregando sua superfície com a manga do paletó, "limpando-a". Por fim, a colocou novamente sobre a cabeça, acertando e dando um leve toque na aba frontal. Mais uma olhada ao redor, e finalmente encontrou a maleta, caminhando até o objeto e a pescando pela alça, batendo a palma por sua superfície para retirar qualquer resquício de poeira.

Conferiu mais uma vez, então, se todos os seus pertences ali estavam, e não sentiu falta de mais nada. Só aí se deu ao luxo de verdadeiramente olhar ao redor, analisando a sala onde estava, o ar confuso estampado nos orbes cinzentos. Deu alguns passos e giros lentos de 90º para a esquerda e para a direita, se certificando de não dar as costas para...

Para o quê, mesmo?

Ah, enfim.

— Como que eu vim parar aqui? — Perguntou, coçando a cabeça, erguendo um pouco o chapéu no processo, assim que se deu conta de que não existiam portas no cenário, ou pelo menos era o que parecia, em uma primeira checagem mais supérflua. Na verdade, não existia absolutamente nada, além de uma mesa no meio da sala que não parecia ter nada de especial - ou, pelo menos não se incomodou de verificar, naquela hora. O rosto se voltou enfim ao teto, e apertou as pálpebras um pouco, apoiando a lateral de uma das mãos sobre a testa e forçando a visão. — Santa Esmeralda, onde que está o teto? — Indignou-se, e suspirou, permitindo que o braço caísse ao lado do corpo. — Eu caí num buraco, será? Ô, diaxo, viu... — Apoiou as mãos na cintura. — E como que eu vou subir, agora? Eu vou processar quem inventa de escavar esses buracos por aí, isso sim! Ah, eu vou me aposentar, assim não dá, não... — Reclamou, esfregando o rosto e andando para lá e para cá. A última coisa que se lembrava era de ter saído da Cidade das Esmeraldas, e tinha quase a certeza de estar no meio de uma trilha de areia batida, mas não se lembrava do motiv-...

...Sentiu o pé esbarrar em algo firme, ou pelo menos mais firme que o ar, e o rosto se voltou de imediato para o chão. Deu um salto para trás ao se deparar com o corpo do Espantalho, e torceu o nariz, com uma careta frustrada.

— Ah, lembrei. Foi por sua causa. — Resmungou. Então, com a ponta do pé, cutucou o braço do rapaz, o balançando de leve. — Será que morreu? — Perguntou, mais para si que qualquer outra pessoa. Aliás, não estava sozinho ali? Ora, bolas. — Ei. Eeeei! — Insistiu, balançando o corpo do moreno com um pouco menos de leveza, embora ainda com a ponta do pé. Afastou-a, então, e deu um suspiro pesado, e retirou do bolso do paletó um relógio dourado, abrindo-o e checando as horas. Não se atentou, porém, ao fato de que todos os ponteiros estavam parados. — Olha a hora! Levanta, vamos! — Insistiu, guardando o relógio e o sacudindo uma última vez. — Bora, meu filho, eu não tenho o dia todo! Acorda pra cuspir!

Será que tinha morrido, mesmo? Esperava que não, porque com certeza o estrangularia por isso. Quer dizer, estava ali justamente por causa daquele infeliz sem cérebro! Aaaarghhhh!!!

_________________
O amanhã é efeito de seus atos. Se você se arrepender de tudo que fez hoje, como viverá o amanhã?
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Zeu0QEE
Awards:

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – X8CiA0c
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – AmfIeHk
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – S0VhG2V
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – A8MPG3J

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – WVpeL22

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 2pH6RHk

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – WL5BZPt

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – DqszD3a

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Bwv3ggV
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – NzcamXa
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – QdG0v0p
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – IpH0IzM
Shianny
Shianny
Mestra

Mestra

Alertas :
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Left_bar_bleue0 / 100 / 10[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Empty Re: [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater –

Mensagem por Luch em Seg Ago 26 2019, 23:13

OFF:
Oi Pê o/ Desculpe a demora, mas final de semana é meio raro eu conseguir postar. Vamos lá o/

Apesar da apreensão, evidenciada pelo friozinho no estômago, eu estava decidido a fazer a melhor apresentação do mundo naquele Teatro! Não era para menos tamanha empolgação, afinal seria minha grande estreia nesta arte, uma coisa que eu jamais imaginei fazer e agora já adorava, assim, de cara! Além do mais, estaria encenando ao lado de Natalie, uma perfeição em forma de mulher. Por falar nisso aliás, minha única frustração era saber que não teria uma "cena de beijo" na peça... Ou será que havia? Oh céus... Tentando pensar em tudo o que aconteceria do início ao fim do espetáculo acabei ganhando, na verdade, um grande "branco" mental. Parei por alguns instantes antes de chegar no local combinado e arregalei os olhos, respirando devagar.... Não era hora para surtar assim Luch! Não mesmo....  Fui então gesticulando com minhas mãos vazias, sacudindo a cabeça conforme ia lembrando de tudo e, ao constatar que o esquecimento fora momentâneo, desatei-me a sorrir aliviado, continuando meu caminho até o destino, após bater palmas e esfregar as palmas das mãos, aquecendo-me.

Ao fazer a próxima curva à direita, notei que já estava na região da coxia, onde todos os atores ficavam aguardando e se preparando antes de realmente entrar em cena. Naty chegava junto comigo ali e assim nós dois encontrávamos a diretora! A mulher, baixinha e com um jeitão de que "morderia" os atores desleixados, nos recebeu com bastante gentileza até mesmo elogiando o figurino da garota. Aliás... Que figurino! Ela estava um verdadeiro Senhor de Respeito, não diminuindo em nada sua beleza estonteante, é claro. Sorri para ela, dando uma piscadinha e fazendo "joinha" com as mãos. Em seguida, fomos liberados para o Ato 1, seguindo o roteiro que nós mesmo tínhamos planejado. Agora livres para agir, pudemos chegar bem perto um do outro, no momento em que Natalie segurou a minha mão. Eu já tinha ideia do quão nervosa a ruiva estava, mas só tive noção exata do nível de estresse e pressão sobre ela quando senti o quão úmida de suor estava... Sorri para ela, condescendentemente, ouvindo seus questionamentos sobre sermos capazes ou não de realizar isso — Se eu acho? Eu tenho certeza absoluta! Olha só como estamos incríveis e além do mais, ensaiamos bastante e nós mesmo fizemos a peça, então... Se precisarmos mudar algo na hora H, não será nenhum crime afinal... E sobre "estragar tudo". Bem, pense por esse lado, eles nunca viram dois personagens de Oz em Wonderland. Tudo será novidade, não temos como estragar o que nunca existiu — Comentei, por fim, dando mais uma piscadela para a garota, sorrindo.

Apertei a sua mão com mais força então, entrelaçando nossos dedos e observando o término da montagem relâmpago do cenário. Era realmente incrível como conseguiam fazer tudo em um tempo recorde desses... Notava a movimentação da garota e sabia que ela não se acalmaria até de fato, iniciar a apresentação. Por isso, tentei manter-me o mais calmo possível, mesmo que estivesse tão nervoso quanto... Olhei para trás e vi que minha trindade de criaturas estava preparando-se individualmente e realmente não quis atrapalhar, apenas chamando Meo-Mey para que subisse em meu ombro e se empoleirasse, esperando a abertura das cortinas. Não demorou muito para que tudo ficasse pronto, com os cenários e objetos cenográficos diversos em seus devidos lugares. Rapidamente todo o lugar ficou vazio de trabalhadores e Pokémon, apenas esperando a nossa chegada. Olhei então para Natalie e aproximei-me, dando um selinho em seus lábios, com cuidado pra não destruir a maquiagem de "bobo" que eu tinha. — Bem, que quebremos a perna, figurativamente, é claro... — Comentei, rindo baixinho em seguida e acompanhando a menina até o palco. Ela havia lançado sua cartola antes de tudo, bem longe, para causar o efeito que pretendíamos. Eu também agi, retirando uma sacola de palha livre, de um dos cantinhos da coxia e espalhando por perto do lugar onde eu ficaria... Ume e Mey foram até as proximidades e deitaram-se umas sobre as outras, simulando um desmaio, enquanto Lenora ficaria sobre um poleiro especialmente criado para ela, observando a cena que se seguiria, com uma expressão de impaciência e negação. Pois bem... Tudo decidido... Restava agora começarmos! Para tal, Natalie e eu fomos até as marcações e simplesmente caímos no chão, largados.

Que o Show se inicie!

...

...

...

Um som de tornado assombrava a plateia e deixava um tom de mistério sobre o que ocorria no palco, por trás de tanta escuridão... Este mistério só foi se revelar quando, após a cortina ser totalmente aberta, as luzes se acenderam, revelando um cenário caótico, típico da passagem do tornado de outrora. Eu me encontrava no chão, com o corpo estranhamento dobrado de modo a deixar apenas o meu traseiro apontado para o ar. De fato, era uma aparência de morte, se consideramos toda a palha espalhada pelo chão, como se eu realmente tivesse... Explodido! Entretanto, minha cena era bem pequena nessa parte, já que todo o estrelato ficava por conta de Natalie e sua versão de O Mágico de Oz. A ruiva, muito habilidosamente, roubou a cena em um quase-monólogo, recheado de expressões e muitos detalhes para atrair a atenção do público... De acordo com nossos ensaios, ninguém se mexeria até a "deixa" correta, deixando apenas O Mágico passear pelo cenário, enquanto Lenora o encararia silenciosamente com seu olhar de reprovação, mas tão quieta e lenta que poderia se disfarçar facilmente ao cenário. Minha reação só viria quando finalmente Natalie terminasse suas falas e, o tom de mistério fosse levado ao palco, com um foco de luz exatamente sobre mim e um som de rufar de tambores para prolongar a dúvida sobre a vida ou morte do espantalho. Lentamente então, ergui um dos braços do chão, bastante trêmulo, como se pedisse socorro para os céus, mas sem alterar um centímetro do resto do meu corpo. Por fim, o que sobrou foi minha mão no ar, fazendo um sinal de "positivo" com os dedos e acompanhado agora de um "TÁ-DÁ" da sonoplastia, em um toque cômico.

Tendo revelado que estava tudo bem, restou a mim recolher o meu corpo e, apoiando as duas mãos no chão, erguer-me sobre as duas pernas. A maquiagem, perfeitamente preparada para esse momento, dava o tom paspalhão ao personagem, que apesar de estar todo destroçado pela ventania anterior, sorria e saltitava, alternando a perna em que estava de pé — Que viagem, seu Mágico! QUE VIAGEM! Quando vamos de novo? — Questionei, dando um soquinho no ar de alegria. Em seguida, interrompi a fala do interlocutor que ainda se iniciava, apenas para tossir algo para o outro lado e com isso, fazer um bando de palha voar pelo cenário — Desculpe! Acho que peguei um resfriado, Senhor Oz! Mas, onde estamos afinal? — Completei, fazendo uma cara de espanto exagerado, enquanto rodava num ângulo de 360 º, perdido... Terminando o tour ao encarar novamente o personagem de Natalie, assustando-se de forma bastante boba, até mesmo com um gritinho, por causa da presença do "homem", mesmo que fose óbvia. Emendando então o susto, toquei-me da presença das criaturas largadas no chão — Meus queridos bebês! A Gatinha Espan e Plantinha Tália. Estão bem? — Comentei, levando uma mão até o chapéu para segurá-lo durante a corrida até os Pokémon ainda desmaiados no chão. Desengonçadamente então, abaixei-me para observá-los, enquanto esperava O Mágico de Oz tomar alguma decisão inteligente que nos tiraria daquele estado terrível de aprisionamento.
Luch
Luch
Administrador Bronzeado

Administrador Bronzeado

Alertas :
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Left_bar_bleue0 / 100 / 10[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Empty Re: [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater –

Mensagem por Ancião em Qua Ago 28 2019, 18:12

 O evento começava, a dupla desempenha seus papéis nessa versão conjunta de duas obras que deixariam a Broadway com inveja - ou raiva - de qualquer forma diante de suas respectivas chegadas uma floresta surge, com árvores tortas, outras rindo e algumas chorando, tudo era cinzento e estranhamente frio - o máximo possível em uma produção teatral de custo médio. Cuidando como proceder diante do novo, está que escreve pensa que o caminho é feito conforme o avanço e era isso que a floresta indicava.

 De cima de um dos galhos um sorriso estranho e quase psicótico levita no ar de um lado a outro. Quem seria?
Ancião
Ancião
Treinador - Criador

Treinador - Criador

Alertas :
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Left_bar_bleue0 / 100 / 10[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Empty Re: [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater –

Mensagem por Shianny em Qua Ago 28 2019, 22:32

Só existia uma coisa - ou alguém, no caso - que a impedia de mergulhar completamente no papel: Seu próprio parceiro de palco. Não por fazer um trabalho ruim, muito pelo contrário, afinal sua atuação (logo descobriu) praticamente dava vida ao personagem. O problema era que a mente flutuava até momentos antes da entrada no palco, e eram em suas palavras e atos que a mente se focava se focava para tentar se convencer de que tudo não desandaria e a peça não viraria um caos e iria pelos ares. Ao mesmo tempo, era no papel que tinha que se concentrar.

Ou seja, sentia como se o furacão de Oz passasse também por seu próprio coração, aquecido e bobo. E o esforço para tentar mantê-lo "nas rédeas", naquele momento, era mais que necessário para não correr o risco de deixar os próprios sentimentos fluírem e se estamparem durante a encenação - ou tinha a sensação que a "braveza" inicial do Mágico corria um sério risco de se transformar em platonicidade bem diante dos olhos da plateia.

Com esse fluxo de pensamentos, acabou atrasando uns dois segundos a próxima fala, fato que felizmente não chegou a ser grave para a cena - afinal, foi praticamente o tempo do cenho se franzir à reação animada do Espantalho, em uma situação que ele deveria estar exatamente... sei lá, o contrário? Hm.

— Ora, nós- — E o fato de ser interrompida apenas serviu para amenizar o fato. A expressão de preocupação veio e foi num rápido instante, considerando que se ele "morresse", talvez fosse só... Encher de palha de novo, sei lá? Bem, pelo menos foi o que passou por sua cabeça num primeiro momento - e teve quase a certeza que foi culpa do papel, gritando para se manter dominante. — Bem, estam- — Começou outra vez, mas novamente cortado pelo repentino grito assustado do Espantalho, que fez seus próprios olhos arregalarem e os ombros saltarem. Mal teve tempo de reagir, porém, antes que a criatura se voltasse aos pokémons até então jogados no outro canto, e o deixou falando com o vento para ir até lá.

Pisou forte no chão, e uma respiração pesada escapou.

— Por que que pergunta, então?! — Reclamou para suas costas, frase que o boneco simplesmente ignorou - ou conseguiu ficar desatento o suficiente para não perceber. Com um suspiro pesado, balançou a cabeça negativamente. — Agora mais essa, preso nesse buraco com o cabeça de vento... — Resmungou, esfregando o rosto. Não era como se tivesse alguma raiva do Espantalho, mas a situação repentina acabou induzindo esse tipo de pensamento. O olhar se desviou para o chão, para a palha espalhada... E, para falar a verdade, a ideia que teve foi completamente de última hora. Enquanto o boneco ainda se aproximava de Ume e Meo-Mey, entre seus resmungos, apoiou a maleta debaixo do braço e se abaixou para começar a juntar e recolher uma bela quantidade de palha do chão. Ainda resmungando, com as mãos cheias, se aproximou por trás do rapaz...

E então, de uma vez e com um breve puxão da parte de trás da sua gola, enfiou o montinho todo pra dentro. Deu um tapinha na parte detrás de sua roupa pra acomodar o novo volume de palha, e usou toda a força de vontade que tinha pra evitar um sorriso no processo, afinal, era uma atitude SERÍSSIMA, ok?

— Continuando... Bem, eu não sei se tenho certeza. Agora, vamos dar um jeito de sair daqui. Vai ser rapidinho, você vai ver e... — Então, se voltou para dar uma olhada novamente ao redor, e o susto que tomou quando se viu rodeado de árvores não estava escrito nem nos gibis. Bem, não planejava ficar preso ali, mas não é como se esperasse que realmente o cenário mudasse instantaneamente, sabe? Quase como se tivesse sido... Num passe de Mágica!

...haha

Infelizmente, logo percebeu, não estavam sozinhos. Nem bem teve tempo de explorar o novo local, quando o olhar se deparou quase imediatamente com um longo sorriso estampado no escuro, e sentiu a ameaça inevitável do desconhecido. A mão recuperou a alça da maleta debaixo do braço, e tomou para si outra vez a liberdade dos movimentos, estreitando o olhar e apontando na direção da criatura oculta - acreditou - nas sombras.

— Alto aí! Quem é você?! — Questionou de imediato. — É bom se revelar, ou... Ou vou ter que te fazer aparecer! — Ameaçou, embora sentisse as pernas trêmulas. Arregaçou uma das mangas do paletó, que logo caiu outra vez, e apontou para o enorme sorriso. — Fique sabendo que eu sou o maior mágico da região! É bom não vir com gracinhas! — Ratificou. Não tinha certeza de onde estavam, mas imaginou que pudesse manter o papel. Não deveriam estar tão longe de sua terra natal - e ninguém seria tolo o bastante de mexer com o grande Mágico de Oz...

Certo???

_________________
O amanhã é efeito de seus atos. Se você se arrepender de tudo que fez hoje, como viverá o amanhã?
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Zeu0QEE
Awards:

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – X8CiA0c
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – AmfIeHk
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – S0VhG2V
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – A8MPG3J

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – WVpeL22

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 2pH6RHk

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – WL5BZPt

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – DqszD3a

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Bwv3ggV
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – NzcamXa
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – QdG0v0p
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – IpH0IzM
Shianny
Shianny
Mestra

Mestra

Alertas :
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Left_bar_bleue0 / 100 / 10[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Empty Re: [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater –

Mensagem por Luch em Qua Ago 28 2019, 23:27


Estava tentando realmente encarnar o personagem. Ou melhor, empalhar o personagem? Enfim... O Espantalho era um bobo, para não dizer "burriquinho", então eu precisava expressar uma certa inocência em minhas falas e ações, que culminavam em quase uma irritação para quem as ouvia, principalmente quem tinha de lidar diretamente com ele, no caso O Mágico de Oz. Ficava me perguntando se Natalie resistiria a uma bela risada em alguns momentos que eu preparava para as próximas cenas e tinha dúvidas se eu mesmo não cairia na tentação de uma gargalhada diante de uma grande bobeira... MAS QUE SEJA! O Show tinha que continuar e foi exatamente isso que fizemos... Enquanto eu ficava gesticulando perante Ume e Meo-Mey, ou melhor, Espan e Tália, O Mágico de Oz abaixou-se a recolher toda a PALHA esPALHAda, puxando em seguida a gola da minha blusa para encaixá-la de volta ao meu "corpo", seguido de batidinhas em minhas costas. Obviamente aproveitei o momento para mais uma tirada cômica, deixando minha cabeça pender para o lado, como se tivesse deslocado-se com o movimento brusco do Mágico — Oh! Obrigado! O Senhor é muito gentil, acho que agora está tudo bem, como deveria estar! — Comentei, com a melhor expressão boba em minha face, sorrindo abertamente, apesar da cabeça pendendo, escandalosamente.

O Mágico de Oz então, resolveu tomar o controle da situação, procurando um jeito de sairmos deste lugar, mas antes mesmo de conseguir se expressar plenamente pela milésima vez, foi surpreendido pelo surgimento repentino de uma... floresta? Sem tempo para ajustar minha cabeça, o parabenizei — Mas o Senhor é incrível mesmo hein! Uma floresta! Agora estamos salvos! — Comentei, erguendo os braços para o céu, quando fui surpreendido por Meo-Mey, que surgiu de trás de mim, sobre o meu ombro, ameaçando uma figura suspeita nas sombras com suas garras e um som de desafio. Obviamente, viramos de imediato para esse sorriso misterioso na escuridão. O Mágico de Oz não pensou duas vezes em mostrar todo seu poderio tremulante, dizendo que se não surgisse, ele o faria aparecer. Fiquei durante todo o tempo quieto, apenas observando, mas senti-me na obrigação de acalmar os ânimos exaltados, pelo menos quanto à Meowth, que ainda mostrava suas afiadas garras. — Deve ser um indivíduo perdido, Espan... A última coisa que queremos é Espantar alguém, não é mesmo? — Comentei, acariciando a cabeça da felina, que parecia indgnada com as minhas palavras, dando de ombros e depois fazendo o famoso facepalm.
Luch
Luch
Administrador Bronzeado

Administrador Bronzeado

Alertas :
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Left_bar_bleue0 / 100 / 10[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Empty Re: [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater –

Mensagem por Victoria em Sex Ago 30 2019, 13:53


Não era um teatro sootopolitano da vida mas ainda assim era colossal; talvez Natalie e Luch não tivessem reparado (ou não quisessem) na imensidão que lhes viam mas, se parassem agora, veriam um mar de gente! Ou melhor, gentinha; um mar de crianças que vieram ver a peça. O público podia não ser o alvo mas acabou por tomar o tiro certeiro, numa mistura de dois nonsense clássicos a plateia foi infestada por crianças! Óbvio que a empolgação de mirins é sempre mais gostosa de ouvir, né? Quando Oz põe as palhas de volta no espantalho, numa palhaçada só, risadas se tornam uníssona e a dupla é muito bem recebida.

Assim começava o show, com gargalhadas bobas e sorrisos banguelos; havia alguns pais, mães e professores na plateia mas não compunham nem um terço do estabelecimento. Ah, mas tinha um deslize! Ao pé do palco uma criança chorava, morrendo de medo do personagem de Luch. “Que troço mais feio!”, entonava a irmã mais velha do menino, “É o bicho papão, ele veio te comer” e continuou, num sadismo pouco raro nessas relações.

Claro que quanto à isso os dois não podiam fazer nada; dificilmente ouviriam coisa alguma daquele palco, ainda assim isso era indicativo suficiente para a direção da peça pegar uma chave no ar: a sinopse não havia sido explicitada. Por mais que há de se pensar que a maioria das pessoas que pagam para ver uma peça no teatro sabe minimamente sobre o que ela é, não há como levar isso como regra. Talvez uma ou outra criança não conhecessem o Magico de Oz ou o Espantalho e pela falta de introdução a irmã mais velha pode falar “é o bicho papão!”. Bem, não permitiremos isso! Numa astúcia pouco comum a direção usou do seu talento em dar nós em pontas soltas e mudou o cenário. Como? Bem, parecia mágica mas não era; teatros de baixo orçamento tendem a ser assim: o fundo é projetado numa tela ao fundo, presa por uma haste. Dessa forma é mais fácil controlar todo o conteúdo que se passa, sem muitas despesas e, principalmente, num passe de mágica!

A floresta que aparecia como cenário central agora sumiu, dando espaço ao infinito caminho dourado que levava à Emerald City; suas grandes construções esverdeadas e brilhosas estavam ao fundo, bem lá no fundo da tela. O sorriso ao céu podia até ser um personagem mas ele se contentou em apenas ser isto; um sorriso. A imagem parou. Um som artificial de vento tomara o lugar e só depois de algum silêncio o sorriso decidiu responder:
- Não sei se o maior mágico mas que é o maior linguarudo eu tenho certeza -  O sorriso então abriu-se mais… e mais… e mais um pouco. Abriu-se tanto que pôs a língua para fora num ato debochado - E estamos num país de línguas muito grandes.

Dito isso uma gargalhada se ouviu; toda a interpretação do sorriso era feita por um megafone ao fundo do palco, que criança alguma poderia ver! Isso não só apetitava o mistério das como também causava um efeito levemente cacofônico; não intencional mas que ensurdecia Natalie e Luch aos poucos, já que estavam no palco e sujeitos à toda aquela vocalização:
- Se quer saber onde estás é melhor começar a pensar o que veio fazer. Como diabos toma um caminho e depois não sabe como vai parar nele?

O cenário começou a mudar e do caminho dourado surgiu Emerald City; suas imensas esmeraldas e o reluzir forte do chão ladrilhado. Uma luz forte caiu sob Natalie e todas as outras se apagaram. Oz estava no centro do holofote! Aproveitando a ênfase no protagonista e a escuridão total do resto do recinto surgiram ladainhas e gritos. Do fundo, dos lados, da frente, até do teto parecia vir murmúrios e, entre estes todos algumas vozes se sobressaíram num grito enfático:
- É um pilantra! - Disse a primeira voz, bem no fim do teatro, sendo logo em seguida por outra entonação, dessa vez mais grossa e lateral - Você disse que lhe daria um cérebro mas ele continua burro como uma porta! - E com isso uma terceira voz tomou o cenário, agora feminina, bastante aguda e vinda da tela -  Eu sempre acreditei em você mas dessa vez não tem como... é um mentiroso mesmo!

E aos gritos Natalie se tornava o Oz rejeitado; seu papel seria minimamente contextualizar quem era e como parara naquela situação. Sendo chamada de Coach ao vivo e à cores!? Oz não podia deixar essa passar, ao menos não fácil assim; era melhor que se defendesse ou, ao menos, jogasse um balde de água fria na plateia, contando logo sua história. O espantalho era peça chave do problema e se não metesse os pés pelas mãos poderia ser de grande ajuda.

Progresso do Evento - Shianny:


Pokémon:
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 479MS Rotom Mow: 60/60 - [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Widelens- Wide Lens  - Status: Normal. - lv.25.
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 407MS Roserade: 65/65 - Status: Normal. - lv.25.
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 002MS Ivysaur: 65/65 - [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Miracleseed Miracle Seed - Status: Normal.- lv.25.


Ganho de Experiência e Felicidade:


Itens usáveis:
3 Sitrus Berries;
3 Full Restores.

Pontuação total atual:
10/300.

Controle de pontos:
+10 pontos iniciais por possuir 3 pokemons do tipo Grass

Progresso do Evento - Luch:


Pokémon:
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 052MS Meowth: 55/55 - [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Silkscarf Silk Scarf - Status: Normal. - lv.25.
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 002MS Ivysaur: 65/65 - [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Miracleseed Miracle Seed - Status: Normal.- lv.25.
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 430MS Honchkrow: 85/85 - [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Bag_Metal_Coat_Sprite Metal Coat - Status: Normal.- lv.25.


Ganho de Experiência e Felicidade:

Itens usáveis:
3 Sitrus Berries;
3 Full Restores.

Pontuação total atual:
00/300.

Controle de pontos:

OFF: EIIIIII <3

_________________
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – W3d8a39
Victoria
Victoria
Ace Trainer II

Ace Trainer II

Alertas :
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Left_bar_bleue0 / 100 / 10[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Empty Re: [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater –

Mensagem por Shianny em Sex Ago 30 2019, 15:17

off:
OI MINHA PRINCESA <3
VAI OZ, VOCÊ CONSEGUE CONVENCER ESSES BOBÕES QUE VOCÊ É DEMAIS

Acima de qualquer coisa, existiam dois fatos que a faziam relaxar, ainda que pouco a pouco, com o papel protagonista: a) Ter Luch como parceiro de palco. Ver a maneira como o rapaz conseguia desenrolar o próprio personagem com tanta facilidade era um alívio incalculável e, para além disso, se sentia confortável em saber que podia contar com o auxílio do moreno na maior parte das cenas, e b) A reação aparentemente positiva da plateia era responsável por aquecer seu coração, e aos poucos forçava-o em retorno à calmaria. Talvez não fosse nenhuma atriz profissional, e na verdade estava bem longe de ser, mas a parte importante é a recepção dos espectadores à obra apresentada, certo? Se eles aprovam, está tudo ótimo e fim - ou pelo menos era com esse pensamento que tentava se convencer que ainda tinha em mãos as rédeas daquele evento.

O tempo na "floresta", em fato, foi quase mínimo. Logo o cenário ao fundo tratava de se metamorfosear novamente, e o coração do Mágico certamente encontraria paz quando os olhos se encontraram com a paisagem tão pertencente à Oz - ainda que existisse uma coisa fora do lugar. Um único e maldito elemento que contrastava em estranheza com seu querido país, e este era o sorriso hediondo que se estampava no céu, imóvel, como se fosse apenas parte do celeste manto azulado. O olhar se estreitou, desconfiado, antes mesmo que tivesse chances de permitir que um suspiro aliviado escapasse, e aquele sentimento logo se provou justificado quando a imagem da cidade repentinamente pareceu congelar, como se fizesse parte de uma ilusão, e a ousada voz ecoou pelo palco.

Num primeiro momento, os olhos se arregalaram com brevidade, e recuou dois passos receosos. Assombrou-se com o tapete muscular que se desenrolou para fora daquela curvatura labial, enorme, viscoso, inumano, e a expressão torceu-se em desgosto com as patifarias proferidas por tal estranha criatura, a qual sequer era capaz de enxergar por completo. Não teve tempo de responder de imediato, porém, visto a gargalhada altíssima que se seguiu, e teve seu efeito amplificado pelo eco natural oferecido pelo palco. Viu-se atordoada por um momento com o alto som, ainda que talvez devesse tê-lo esperado - infelizmente, o tempo tinha sido muito pouco para que houvesse simplesmente se acostumado com o efeito que o megafone trazia, mas se manteve forte como pôde, apertando a alça da maleta e evitando reações ao estrondoso barulho.

— Desaforado! — Gritou em resposta, apontando ao sorriso mais uma vez. — Tem uma sorte tremenda que estamos sem tempo, ou eu haveria de dar-te uma lição - e aí sim se arrependeria do tamanho dessa tua língua! — Retrucou, quase de imediato, frustrado - ainda que, no fundo, fosse só uma desculpa para mascarar o fato de que não, aparentemente não seria capaz de arrastar aquela criatura à luz, por mais que o houvesse ameaçado anteriormente. Na verdade, lá em seu âmago, temia com todas as forças que tipo de ser seria capaz de brincar daquela maneira com a paisagem, revelando-se sem fazê-lo. Talvez por culpa do desconhecido, mas o fato é que deveria se apressar e fugir dali, o mais rápido possível! — Vamos, Espantalho! Deixe estar esse aí! — Exclamou, batendo os pés e dando alguns passos para frente...

E então, se viu propriamente na Cidade das Esmeraldas, e logo tudo escureceu. O sobressalto foi imediato, e quase pulou no lugar quando a luz desapareceu, permitindo que apenas um feixe de holofote se mantivesse centrado sobre sua cabeça. A expressão, inicialmente, se torceu em confusão, e olhou de um lado para o outro, trazendo a maleta um pouco mais para perto do corpo.

— Espantalho? — Chamou, incerto. Não obteve resposta, óbvio - e ainda que não fosse capaz de ver claramente, podia enxergar a silhueta do rapaz estática na escuridão, aguardando que as luzes se acendessem outra vez. Aquela era sua cena, afinal, e era sozinha que deveria fazê-la, gostasse disso ou não. Então, arriscou mais alguns passos perdidos no palco, para frente e para a beira, evitando se aproximar de Luch para que o holofote não o capturasse...

As vozes logo começaram. A primeira fez-lhe saltar no lugar, e olhar assombrado de um lado para o outro, em busca de sua fonte, a qual infelizmente não encontrou. Os ombros encolheram, como os de um bicho encurralado no canto, e uma das mãos foi para o chapéu quando a algazarra de vozes começou.

— O quê? — Questionou, hesitante. O corpo se voltou parcialmente na direção de onde vinha a segunda voz, num giro rápido. — Não! — Retrucou, mas à medida que as acusações aumentavam, foi incapaz até mesmo de manter os olhos abertos, apertando as pálpebras com força. Levou as mãos aos ouvidos, tampando-os, a maleta se espatifando no chão quando a soltou de repente. Se viu encurralado no passado, as garras duvidosas dos habitantes da cidade sufocando-o perante o fracasso com o Espantalho. Balançou o corpo de um lado ao outro, em negativa, a respiração descompassando gradualmente e os pensamentos girando, atormentados.

Como pessoa, em fato, sentiu cada palavra rasgando a própria alma, retorcendo-a em questões não resolvidas do passado. Um canto obscuro do seu coração se viu afetado e imerso no contexto da peça, sufocado, fato que contribuiu relativamente para uma veracidade quase inacreditável dos sentimentos na expressão - uma maravilha ao teatro, um terror para si mesma, caso não fosse capaz de controlar aquela enxurrada de emoções. Felizmente, o fez, poucos segundos após o início das acusações malditas que ecoavam pelo palco, quando os braços se soltaram de uma vez ao lado do corpo.

— Chega! — Urrou, e com isso esperou dar fim ao pandemônio de palavras que escoavam podres - apesar de, bem, verdadeiras - pelo teatro. A respiração se manteve alterada por um momento, o corpo trêmulo, os dedos se fechando em punho e as unhas apertando firmes contra a palma. Eu sou o único e verdadeiro Mágico dessa cidade, e eu provarei à todos vocês! — Exclamou, e abaixou-se apenas para agarrar a maleta. — Eu levarei o Espantalho para meu antigo berço, o lugar de minhas origens, e o transformarei no maior gênio desse século! — Sentenciou, ajeitando a cartola na cabeça, e o paletó sobre o corpo, num gesto quase colérico. Começou a andar, então, dando algumas voltas e giros pelo palco. — E todos vocês vão se arrepender dessas heresias, e me implorar por perdão! — Sibilou. Continuou andando, até se reencontrar no lugar onde estava, inicialmente, antes que as luzes se apagassem. Era necessário uma continuidade, afinal!

...E esperou que elas se acendessem, outra vez.

_________________
O amanhã é efeito de seus atos. Se você se arrepender de tudo que fez hoje, como viverá o amanhã?
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Zeu0QEE
Awards:

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – X8CiA0c
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – AmfIeHk
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – S0VhG2V
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – A8MPG3J

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – WVpeL22

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 2pH6RHk

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – WL5BZPt

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – DqszD3a

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Bwv3ggV
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – NzcamXa
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – QdG0v0p
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – IpH0IzM
Shianny
Shianny
Mestra

Mestra

Alertas :
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Left_bar_bleue0 / 100 / 10[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Empty Re: [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater –

Mensagem por Luch em Sex Ago 30 2019, 16:53

OFF:
Hello, Vii o/

Tudo parecia estar saindo muito bem... Não havíamos errado falas e nem o tempo das nossas ações. Até mesmo os Pokémon pareciam bastante empenhados em fazer tudo dar certo e isso era maravilhoso, nos recompensado com atenção que o público estava dando para todos nós e nosso trabalho. Além disso, a equipe técnica do Teatro de Forina também era excelente, fazendo os efeitos especiais surgirem e desaparecerem na hora certa, tal qual verdadeiros mágicos, mesmo que não de Oz. Agora, onde havia uma floresta de formas e cores diferenciadas, surgiu a imagem da estrada de tijolinhos dourados, que leva à Oz. Enquanto isso, a figura misteriosa e sorridente que havia se estampado em nossa frente, atacava o Mágico de Oz, trazendo os medos e receios de seu passado à tona, afinal ele era um belo de um fanfarrão e sabia bem disso, não é mesmo? Mesmo que houvesse feito muito por todos em Oz, à sua maneira...  Estes ataques culminaram em uma mudança de ares e cenários novamente, trazendo todo o esplendor de Emerald City para próximo de nós. Essa era a grande deixa para o momento do próprio Mago, nas mãos de Natalie. Isso ficou bem claro quando todas as luzes se apagaram, deixando apenas um forte spot sobre a garota, travestida de personagem. E não parou por aí...

De todos os lados, vozes vinham diretamente atingir os pensamentos de Oz, levantando suspeitas, acusando suas farsas e duvidando de suas capacidades. Muito brilhantemente, Natalie expressou essa confusão mental, esse transtorno, esse sofrimento e perambulando pelo palco - enquanto era seguida pelo holofote - dominou o cenário. Já eu, mantive-me escondido para não estragar a cena, mas participei na hora certa, no momento em que o Mágico deu um CHEGA para todo aquele caos, abrindo seus braços com força e decisão, trazendo as luzes de volta. Nesse instante, eu me encontrava abaixado, com as mãos na cabeça (ainda torta). Agora com tudo sendo iluminado novamente, fiz uma cara de perdido e... bobo... Olhando ao redor, como se procurasse algo — Quem apagou as luzes e... Ah... Voltou! — Disse, arregalando os olhos e ficando em pé num salto, correndo em seguida pelo palco, com os braços agitados, em desespero — Não, não, não! Não diga isso dO Grande Mágico de Oz! — Comentava com o dedo em riste, agitando-o no ar para o lado errado, até se tocar do problema. Aproveitei o silêncio do constrangimento para ajeitar a cabeça de volta ao lugar e dar uns pulinhos, ficando agora na direção certa daquele largo sorriso com língua, agitando a mão novamente — O Mágico de Oz está comigo desde quase toda a minha vida! Que fazem... — Disse inicialmente com ímpeto, mas depois diminuindo o tom enquanto tentava contar nos dedos a difícil matemática — Uns três dias! E ele é a pessoa mais sábia e bem intencionada que há! — Declarei, colocando então as mãos na cintura e tentando fazer uma cara de bravo, mas depois virando-se em dúvidas para o Mágico e questionando — Não é verdade, Seu Oz?
Luch
Luch
Administrador Bronzeado

Administrador Bronzeado

Alertas :
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Left_bar_bleue0 / 100 / 10[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Empty Re: [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater –

Mensagem por Victoria em Sab Ago 31 2019, 01:45


A exaltação vinha no revés; fora com esse monólogo que a história foi introduzida e com ela o inevitável desaparecimento do sorriso psicótico. O que acontecerá agora? Continuarão em Emerald City? De jeito nenhum, a história não pode parar; num estalar de dedos a floresta voltava como cenário atual e para incrementá-lo vinha junto uma orquestra de cigarras e grilos. O som ambiente ficara mais alto e aos poucos foi tomando todo recinto: tudo que Oz ou o Espantalho falassem precisaria ser gritado para fazer efeito.

O caminho era imaginário; não havia obstáculo, cenário ou sequer um traço de para onde andar ou seguir. Não havia holofotes em ninguém e as luzes voltaram à tona aos dois personagens; os únicos dois personagens que deram a cara até então, mas será que por muito tempo? A cigarra continuara; o grilo também mas, melhor que isso, uma voz surgia, novamente, no canto do palco. Uma feminina, levemente grossa, bastante alta e, mais uma vez, invisível:
- Nunca vi ninguém com ar mais bronco - Citou a moça, numa clara referência à Lewis Carroll, num tom ríspido até demais - Calem a boca grilos, deixe-me ver esses meninos - E os insetos incrivelmente à obedeceram, calando-se.
- Até parece que já viu "alguém" - Respondeu uma voz masculina, do outro canto da tela, continuando a referência - Dorme o dia todo, enfia a cabeça entre as folhas e não vê nada do que se passa. Mais parece um botão!
Num bocejo-raivoso - como o de quem acordara na base do ódio - a primeira voz se revelou; era uma rosa, ou melhor, uma atriz fantasiada assim, com seu collant verde, membros pintados a tinta oleosa e pétalas vermelhas nas mãos. Fantasia bem simples, diga-se de passagem. De qualquer forma era o que tinha e assim que entrara no palco: era o primeiro rosto que nossa dupla via em palco e... ao que tudo indica não era um rosto lá muito feliz. A personagem parecia estressadíssima, batendo pé para um lado e para o outro, correndo numa velocidade que quase atropelara o pobre do espantalho, nem mais parecia que acabara de acordar:
- Eu?? Você tem coragem de me falar isso, Lírio? Você nem sequer tem uma pétala sobrevivente para contar história. Vive mergulhado em chá! Te colhem todo dia e você me vem com essa historinha de que sabe alguma coisa - Bradou a roseira que decidira brigar com a outra flor ao invés de incluir Natalie ou Luch.
- Não me faça ir ai provar o contrário - Respondeu o tal Lírio que, tímido, continuou atrás das cortinas.
- Vem aqui então, não tem coragem de se mostrar porque está todo pelado! - Finalizou o desafio com um shade bastante agressivo.

O diálogo fora respondido com uma gargalhada do público; não há nada que crianças achem mais cômico que piadas com homens nus sem contexto algum. De qualquer forma o Lírio parecia confirmar a narrativa e se manter alheio às luzes. A rosa então, convencidíssma de uma vitória, correu até a cortina vermelha do canto e, num movimento súbito, puxou-a, revelando a intimidade do rapaz à frente, que realmente: não tinha pétalas. Seu collant verde se contentava em ser seu único acessório. Exposto, o ator se pôs a chorar num alto e irritante gritar artificial. Correra para trás da segunda cortina e ali ficou por mais um tempo, esgueirando-se entre as beiras do palco. Bastante descabida a roseira foi até lá, já se preparava para mostrá-lo de novo mas o nu não o deixou, desta vez foi mais esperto! Correu até Luch antes que ela fizesse e... puff, caíra na sua palha! Segurara o rapaz por trás e começava a arrancar todo o enchimento, feixe por feixe, tentando colocá-los dentro do collant. O que estava fazendo? Ia estragar tudo sem dó?!
- Me arranjem pétalas e sépalas, por favor - Suplicou o ramo sem flor, tão desesperado, desamparado, despedaçado, despetalado que, num ato cômico estava à beira de desmarcara a fantasia do nosso querido espantalho. Que espantalho é esse que não espanta nem uma florzinha?

Progresso do Evento - Shianny:


Pokémon:
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 479MS Rotom Mow: 60/60 - [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Widelens- Wide Lens  - Status: Normal. - lv.25.
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 407MS Roserade: 65/65 - Status: Normal. - lv.25.
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 002MS Ivysaur: 65/65 - [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Miracleseed Miracle Seed - Status: Normal.- lv.25.


Ganho de Experiência e Felicidade:


Itens usáveis:
3 Sitrus Berries;
3 Full Restores.

Pontuação total atual:
10/300.

Controle de pontos:
+10 pontos iniciais por possuir 3 pokemons do tipo Grass

Progresso do Evento - Luch:


Pokémon:
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 052MS Meowth: 55/55 - [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Silkscarf Silk Scarf - Status: Normal. - lv.25.
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 002MS Ivysaur: 65/65 - [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Miracleseed Miracle Seed - Status: Normal.- lv.25.
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 430MS Honchkrow: 85/85 - [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Bag_Metal_Coat_Sprite Metal Coat - Status: Normal.- lv.25.


Ganho de Experiência e Felicidade:

Itens usáveis:
3 Sitrus Berries;
3 Full Restores.

Pontuação total atual:
00/300.

Controle de pontos:

_________________
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – W3d8a39
Victoria
Victoria
Ace Trainer II

Ace Trainer II

Alertas :
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Left_bar_bleue0 / 100 / 10[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Empty Re: [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater –

Mensagem por Shianny em Seg Set 02 2019, 02:02

— Por completo e certo, meu caro Espantalho! — Retrucou, com um sorriso quase afetado. Sabia bem da própria incapacidade acerca das habilidades que clamava ter, mas não estava em seus planos admitir isso diante do Espantalho - ou de qualquer outra pessoa... ...boneco? Enfim, o fato era que não esperou por muito tempo e os pés partiram, deixando o grande sorriso para trás e atravessando para outro cenário com a companhia de tão boba criatura.

Não era fácil - logo descobriu - participar de uma apresentação de teatro. Fosse pela necessidade de trabalhar o nervosismo, lidando com o olhar do enorme público tranquilamente acomodado à frente do palco, pela exigência (ainda que maleável) de lidar com os "timings" da peça e da consciência acerca do desenrolar do roteiro, do jogo de corpo para evitar que os movimentos acabassem robóticos ou meramente em conseguir erguer a voz suficientemente para que ela fosse capaz de transpassar os efeitos sonoros que inundavam a área.

Viam-se novamente na floresta, e o som de grilos e cigarras ameaçavam se tornar insuportáveis a qualquer momento. Durante aquela cena em específico, não puxou assunto, ao menos por si só, com seu parceiro de cena. A expressão pensativa se destacava no rosto, e ainda não tinha certeza de onde estavam, ou sequer para onde iam, como bem pontuou o estranho monstro sorridente. Tudo ao redor (inclusive as mudanças de cenário) era esquisito, com um cheiro de "novo" que chegava a ser sufocante. Sentia como se a própria percepção de realidade estivesse alterada e, até onde iam seus tímidos conhecimentos, isso era algo... Perigoso.

Precisavam urgentemente ir embora, era o que pensava.

Foi outra voz, porém, que interrompeu-lhes o caminho. Os pés pararam de imediato, e um dos braços se ergueu para servir de obstáculo ao tronco do Espantalho e obrigá-lo a parar, também - ou não duvidava que o personagem seguiria andando como se nada tivesse acontecido. O olhar se estreitou com suavidade, um pouquinho desconfiado... Fator que se intensificou quando os insetos repentinamente calaram-se diante da ordem imposta. Achou estranho, aliás, com a voz masculina que deu continuidade à narrativa, com frases no mínimo esquisitas... E só reparou que a primeira personagem havia se revelado quando sentiu-lhe praticamente atropelar a si e ao seu companheiro, numa ira quase injustificada em direção ao outro lado do palco e ao rapaz com quem contracenava

— Mas são flores, estes que falam! — Exclamou, a expressão se abrindo em surpresa. A atitude da Rosa de revelar o Lírio "despido", porém, fez-lhe torcer os traços em choque e, numa reação exagerada, a mão que segurava a maleta de imediato foi à frente da boca agora aberta, escandalizada. Não perdeu tempo em apoiar a mão livre sobre o olhar do Espantalho, "protegendo-o" contra tamanha cena despudorada (e, sinceramente, sentiu-se um pouco boba ao fazê-lo, ainda que somente por interpretação). O rosto, por fim, também se desviou, evitando deliberadamente a dupla à frente... — Vamos indo embora, Espantalho! Não há nada aqui para nós! — Concluiu, sobre o barulho de choro de despetalado.

Com a cabeça virada para o outro lado, porém, e responsável por tapar a visão de Luch, não foi capaz de ver a repentina aproximação de Lírio, que pareceu quase se teletransportar para o lado de ambos e, assustadoramente, pôs-se a roubar para si o enchimento do pobre boneco. Se para si o susto foi grande, tinha medo da reação de sua vítima, então!

— Ei, o que raios você quer?! — Exclamou. As mãos se "soltaram" de imediato, e roubou o chapéu da cabeça do Espantalho, se reposicionando e o utilizando para espantar e afastar o Lírio. — Xô, xô! Mas que falta de educação, que caule atrevido! — Ralhou, usando o próprio corpo como escudo ao boneco de palha ao se colocar entre ambos. — O que pensa que vai conseguir assim? Sai, sai, planta maluca! — Finalizou, com um último movimento do chapéu para afastar mais um pouco a flor. Voltou-se então ao Espantalho, e de imediato tratou de ajeitar seu estofo (tanto quanto foi possível), recolocando o chapéu em sua cabeça com algumas batidinhas. — Pobre, pobre Espantalho! Tudo bem com você? — Perguntou. Que confusão!

_________________
O amanhã é efeito de seus atos. Se você se arrepender de tudo que fez hoje, como viverá o amanhã?
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Zeu0QEE
Awards:

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – X8CiA0c
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – AmfIeHk
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – S0VhG2V
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – A8MPG3J

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – WVpeL22

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 2pH6RHk

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – WL5BZPt

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – DqszD3a

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Bwv3ggV
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – NzcamXa
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – QdG0v0p
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – IpH0IzM
Shianny
Shianny
Mestra

Mestra

Alertas :
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Left_bar_bleue0 / 100 / 10[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Empty Re: [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater –

Mensagem por Luch em Seg Set 02 2019, 22:37


Assim que finalizei minhas últimas falas na cena anterior, fitei o rosto de Natalie travestida de Mágico de Oz e fiquei no aguardo de sua resposta, que não tardou a chegar. A menina confirmou as falas do Espantalho diante do tal "monstro sorridente" e manteve o tom austero digno do personagem, inabalado diante de tais ameaças e também da certeza de que estas eram acuradas... Já eu, ou melhor, o Espantalho, obviamente não tinha a mesma personalidade grandiosa e um belo impacto visual dignos do Oz, mas ainda contava com uma enorme falta de bom senso e de noção do perigo, parecendo uma versão bondosa de alguém que queria parecer "cheio de si". Com seu jeitinho particular, permanecia firme diante do desconhecido. Enquanto isso, pela minha posição privilegiada e não tão exposta à plateia, deixei um sorriso escapar para Natalie, que não estava "dentro do personagem", mas servia para emudecidamente dizer que "estávamos indo bem e mais uma etapa concluía-se". Algo rápido, pois logo em seguida fiz questão de engolir o sorrisinho para não atrapalhar a atuação da garota e respirando fundo, voltei a absorver o papel em "pano e palha".

Contudo, de volta ao papel, não havia muito a ser feito por agora, pois mais uma mudança de cenário ocorria e não era exatamente nossa vez de falar. Da mesma forma "mágica" que antes, nós dois parecíamos destinados a apenas seguir por um caminho único, sempre em frente na trajetória do herói. Enquanto isso, novidades surgiam. Além da alteração visual mais óbvia do cenário, também surgia no ambiente um efeito técnico da sonoplastia, que lançava um barulho ensurdecedor de grilos e cigarras para todos os lados, seja no palco ou na plateia. Era um som alto o bastante para incomodar a todos no recinto, mas felizmente não forte o bastante para sobrepor nossas melhores vozes - que mesmo não tão profissionalmente emitidas para o público - aproveitavam muito bem da acústica quase perfeita do Teatro. De todo modo, nosso certo grau de amadorismo não atrapalhava em nada o show, ainda mais com tantas crianças por ali, que mais se agradavam com as palhaçadas do Espantalho e a expressão visual do que com as falas. Mas enfim... Toda essa reviravolta foi feita com o propósito da chegada de mais dois personagens, além de mim e de Natalie é claro. No início desta cena eles ainda se mantinham desfocados e ocultos no palco, apenas emitindo suas vozes por cima do som alto das criaturas, mas sendo o bastante para fazer com que o Espantalho parasse bruscamente e agarrasse o braço do Mágico, procurando proteger-se do desconhecido.

Então suas falas vieram e se foram, primeiro uma voz feminina e depois uma masculina em um tom aparentemente nonsense, típico das histórias fantasiosas que retratávamos. No meio disso tudo, apenas uma coisa era clara no "diálogo": eles discutiam entre si... Inclusive, por um segundo até viajei nesse papo das flores, pensando se já não havia visto esta história ou fragmento de história em outro lugar e só não lembrava se na que eu conhecia  tratava-se de um lírio ou um cravo na discussão, apesar de ter certeza que uma rosa estava envolvida. Espinhosa como elas são, não seria muito improvável! M-A-S E-N-F-I-M²... Olhei para Natalie esperando a cena das flores acabar, marcando com a cabeça, lentamente, o tempo delas no palco. Esperava apenas o momento certo para agirmos sem ter que ficar olhando para trás para saber o que estava acontecendo. Entretanto, o que mais me chamou a atenção foi um certo olhar perdido de Naty, que não estava no script. Estaria ela se sentindo bem? Foquei meus olhos nos dela por um pouco mais de tempo, esperando que a menina me olhasse e eu pudesse fazer um questionamento com a cabeça, bem suave, mas que silenciosamente questionasse um "tudo certo?". Se ela me viu entretanto, eu não sei. Infelizmente, não houve tempo suficiente para uma resposta, pois o Lírio já chegava próximo de mim bastante agitado, abordando-me por trás e retirando as palhas extras do meu "tronco"... Era hora de agir!

— Oh! Mas... Mas... — Dizia eu, praticamente murchando naquele mesmo ponto do palco, como se estivesse ficando sem "recheio" o suficiente para manter-me de pé, deixando-me todo "descuncumbelado". Levei-me ao chão então, bem torto e agitando os braços moles em desespero — Estou murcho, oh Lírio! Porque me despalhastes? Fico tímido de me verem tão vazio, como vou colocar um cérebro novinho em folha aqui dentro se não houver como mantê-lo na cabeça? — Questionei aos demais, gesticulando comicamente com as mãos, as únicas partes ainda rechonchudinhas dentro das vestes de Espantalho. Ao mesmo tempo, Meo-Mey, ou melhor Espan, assim como o Mágico de Oz, interromperam o despalhamento violento por parte da flor. Este, usando meu chapéu para afanar o vegetal, enquanto aquela mostrava novamente as garras para mais uma das criaturas que nos interceptava — Não Espan! Não Senhor Mágico! É apenas uma flor sem eira nem beira, desejosa de algo para cobrir suas vergonhas! — Disse, colocando minhas duas mãos nos meus olhos, como se tampasse algo obsceno de se ver e mantendo-me nessa posição pelo resto da fala — Senhor Mágico, não achas que Tália, minha bela flor em botão pode ceder "plantinhas" para o "plantão"?  — Perguntei ao Mágico, mas deixando no ar a possibilidade da própria Ivysaur ajudar o vegetal de alguma forma, em mais um ato caridoso do Espantalho-que-não-espanta-sequer-uma-flor. Tinha certeza que as crianças ficavam encucadas com a situação... Seria uma boa ideia daquele ser bobo?
Luch
Luch
Administrador Bronzeado

Administrador Bronzeado

Alertas :
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Left_bar_bleue0 / 100 / 10[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Empty Re: [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater –

Mensagem por Victoria em Ter Set 03 2019, 17:35


Oz oferecera proteção ao Espantalho, ao menos dos olhos! Num solavanco só tratou de largar sua maleta e tapar os próprios olhos e os do parceiro. Claro que a atitude foi respondida com gargalhadas inocentes; a imaginação da criança podia não ser fértil ao ponto de imaginar o lírio de fato nu mas era suficiente para entender a vergonha dos dois protagonistas. De qualquer forma a briga continuou e a rosa se divertira muito com o desespero do despetalado ao tirar a palha do espantalho. Gargalhadas seguidas de guargalhadas:
- Mas já está se mandando? - Questionou a rosa à Oz - Um espantador de espantalhos deve ser um espantalho ainda mais feio que o espantalho mais feio do mundo - Caçoou numa jogada de palavras confusa.
- Deixe disso Rosa, preciso das minha pétalas - Era notável o desespero na entonação do ator; digna de oscar eu diria. Agora pegava o enchimento do rapaz e colava ao meio da oleosa tinta verde que camuflava suas pernas e braços mas continuava de torso nu - Diga lá espantalho, que tal Tália é essa que pode me ajudar??? Aceito tudoe te dou tudo em troca, até o cérebro se quiser - Prometeu a flor.
- Ei não devolva as palhas à ele - Gritou a moça vermelha, bastante zangada - Roubado não é achado quem perdeu foi relaxado - Respondeu numa mistura bastante confusa.

O grupo de vozes que compunha o coro infantil tossia, ria e espirrava ora ou outra, talvez pelo ar condicionado exagerado mas, neste momento, a grande maioria se mantinha quieta, tentando entender o desenrolar do nonsense à frente. Era evidente que Luch não ia mais querer suas palhas roubadas de volta, até porque, elas estavam completamente sujas de verde e isso só estragaria mais sua fantasia, ainda assim o lírio não havia terminado a pechincha:
- Um cérebro e um saco de palha - Ofertou o nu - Se me arranjares pétalas e sépalas. Somos flores que falam, então cérebro não falta nessa floresta, todos os dias ponho um diferente no miolo de alguém.

Óbvio que a rosa não ficou em nada contente com a desobediência do Lírio e tratou de ir até ele e puxá-lo pela gola do collant, arrastá-lo palco à dentro e quando bem distante das duas duplas cruzou os braços e fechou o semblante por completo. Ela não o queria coberto, não o queria vassalo e muito menos queria perder sua piada. Num chacoalhar de mãos deixou cair algumas de seus pétalas e deu-lhe um bocado para colocar nos braços e pernas, visando principalmente diminuir o impacto da oferta de Luch. O bocado não era suficiente para enroupar o rapaz mas serviu para encher de esperança o olhar do companheiro:
- Viu? Não precisa deses broncos, venha cá, vamos embora.
Ainda que o convite da Rosa resolvesse os problemas da dupla floral não resolvia o problema que o Lírio deixara no palco: como encheriam de volta o espantalho? Como diabos podiam deixar aquela dupla ir embora sem antes consertarem o que fizeram? Como seria um espantalho sem cérebro & palha?

Progresso do Evento - Shianny:


Pokémon:
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 479MS Rotom Mow: 60/60 - [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Widelens- Wide Lens  - Status: Normal. - lv.25.
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 407MS Roserade: 65/65 - Status: Normal. - lv.25.
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 002MS Ivysaur: 65/65 - [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Miracleseed Miracle Seed - Status: Normal.- lv.25.


Ganho de Experiência e Felicidade:


Itens usáveis:
3 Sitrus Berries;
3 Full Restores.

Pontuação total atual:
10/300.

Controle de pontos:
+10 pontos iniciais por possuir 3 pokemons do tipo Grass

Progresso do Evento - Luch:


Pokémon:
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 052MS Meowth: 55/55 - [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Silkscarf Silk Scarf - Status: Normal. - lv.25.
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 002MS Ivysaur: 65/65 - [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Miracleseed Miracle Seed - Status: Normal.- lv.25.
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – 430MS Honchkrow: 85/85 - [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Bag_Metal_Coat_Sprite Metal Coat - Status: Normal.- lv.25.


Ganho de Experiência e Felicidade:

Itens usáveis:
3 Sitrus Berries;
3 Full Restores.

Pontuação total atual:
00/300.

Controle de pontos:

_________________
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – W3d8a39
Victoria
Victoria
Ace Trainer II

Ace Trainer II

Alertas :
[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Left_bar_bleue0 / 100 / 10[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

[OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater – Empty Re: [OzPantalho no País das Esmerilhas] – Forina Theater –

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado



Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 9 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum