Pokémon Mythology RPG
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

Ato 02 — Vendeta.

Página 3 de 12 Anterior  1, 2, 3, 4 ... 10, 11, 12  Seguinte

Ir em baixo

Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Empty Re: Ato 02 — Vendeta.

Mensagem por Nico' em Sex 03 Jul 2020, 21:29

Por mais moroso que o combate fora e do modo que se arrastou, a vitória veio enfim. A última investida do canídeo sobre a anta fora o suficiente para tirá-lo do combate. Os ataques de Drowzee eram variados e poderosos, podendo ser danoso às duas criaturas; por sorte, Nicholas estava com alguns itens de propriedades medicinais para auxiliá-lo naquele momento tão crítico.

moreno resmungara, arqueando um item ainda mais potente no quesito de cura. Quando pensou em utilizá-lo em Drowzee, a hiena agira rapidamente, avançando contra o braço do homem. Tamanha era a fidelidade de Mightyena a Nicholas que o mesmo não esquecera momento algum de atacar aquele asqueroso homem. Seus dentes enfincaram contra a carne do estuprador, impedindo-o; se tentasse desvencilhar-se das presas do canídeo, alanharia ainda mais seu outrora braço são. O medicamento estatelou-se contra o chão, enquanto o psíquico jazia exaurido sobre o chão frio da cidade de Rustboro.

Um sorriso maquiavélico agora estendia-se ainda mais na já vil face do loiro. Seus olhos tomados por toda a ira que acumulara despejavam sobre o estuprador tudo o que havia passado na rota 101 agora. Quiçá, qualquer pessoa comum que vislumbrasse aquela expressão sentiria um incomum arrepio em sua espinha. Era como se o próprio Giratina fizesse de Nico agora o seu avatar, e espelhava o medo através dele. Receoso, Jigglypuff recuou alguns ínfimos passados do ombro do loiro, fitando-o agora com temor infindável. O que diabos aquele garoto que, por mais enigmático que fosse, tornara-se tão sombrio.

— Mas que pena, não é? — desdenhou do homem, achegando-se em passos vagarosos. O soído de seus sapatos ressoava sobre o vazio beco de Rustboro, e aquele cenho vil se tornava mais acentuado a casa passo que se achegava do homem.

Drowzee era a carta na manga daquele malfeitor, e Nicholas soubera como lidar com ele muito bem. Sentia-se orgulhoso por tais feitos: salvar aquela garota do mais nojento crime possível — quiçá, a mulher de madeixas cor de cobre o considerava um vilão no fim do das contas — e vencer a anta, muito bem treinada pelo homem. Nico pressentia que estava mais próximo do que nunca de sua vingança; ora, por mais que tivesse inúmeras desvantagens contra os Rockets, era notório o amadurecimento de seus pokémons naquele momento.

Os segundos apareciam até mesmo horas até Nico chegar à full restore. Sua mente, já nublada por todo aquele ar lúgubre, começava a maquinar no que fazer naquele homem. Possivelmente já corrompido, pensava que acabar com aquele homem não seria maldade de todo, afinal, aquela garota poderia não ser a sua primeira vítima; imagine quantas pessoas foram violadas por aquele toque tão porco e perverso, tal como os inúmeros traumas que foram causados aos demais. Era uma questão de justiça acabar com ele.

— Ah, ainda me deixou um presentinho? — elevou o medicamento na altura dos olhos, analisando-o de modo irônico. — Muitíssimo obrigado.

Seu sádico sorriso agora se estendia ainda mais. Ergueu a sua perna, pouco a pouco, simultâneo ao arquear o seu tronco para trás. Abruptamente, alavancou seu membro inferior direito com o máximo de força que pudera reunir na direção do pênis do homem. Como ele poderia desviar, já que as presas de Mightyena impediam qualquer tentativa de movimento? A intenção de Nico era machucá-lo de fato, tentando passar uma ideia medíocre do que o mesmo fizera com tantas outras garotas.

Assim que retornou sua perna para o estado original, uma risada abafada em sua alma emergiu. Era baixa, mas paradoxalmente alta e tenebrosa. Audível apenas para as criaturas ali conscientes, ficava cada vez mais nítido de que a aparência macabra de Nicholas estava prestes a consumi-lo. Fora engatilhada ao ver a garota abafando seu bramido de agonia, lembrando-se de Emma sendo levada, com um grande auxílio do que aquele cuzão havia feito.

Quando cerrou seu punho direito para desferir mais um golpe, agora contra o rosto do homem, Jigglypuff abraçava-se contra as madeixas douradas de Nicholas. Era perceptível que as lágrimas que começara a derramar era tal uma melodia de saudade: sentira falta daquele loiro que conhecera na rota 101. De fato, Nico estava irreconhecível diante daquelas atitudes.

Atônito, volveu seu pescoço na direção da fada. A mesma balançava a sua cabeça enquanto tentava dizer algo em seu idioma ininteligível para humanos. Seu semblante triste engatilhava agora as mais ternas lembranças que tinha da treinadora.

Regressando àquele pátio enevoado que o âmago de Nicholas estava acorrentado, uma figura fantástica e cintilante surgia no meio daquela escuridão. Era loiro, alva, e uma bandana vermelha flamulava como se o vento sibilasse naquele recinto: era a figura feérica de Emma. Com um brusco abrir de braços, dissipou todas aquelas sombras que cercavam o intrínseco de Nico, envolvendo-o em um afável abraço.

— Eu disse que ia te proteger, não disse, emburradinho? — seus calorosos e róseos lábios encostavam sobre as bochechas do treinador. O corpo da garota se projetou para trás, piscando para o mesmo. — Isso não vai acontecer de novo.

Respirou fundo, catatônico. Era como se sua consciência viajasse para outros planos de existência e caísse contra ele naquele exato momento. Arfava, olhando para Jigglypuff, como se estivesse arrependido de tudo o que dissera e fizera.

— Isso não vai acontecer de novo. Eu prometo — fitou os orbes cerúleos da rechonchuda fada, agora mais aliviada: finalmente, o real Nicholas voltava. O loiro, por sua vez, volvia seu tronco na direção do homem; seus olhos eram, agora, os inexpressivos, como de costume. — Estou procurando três Rockets. Um deles é um ruivo, alto e velho. Onde é que eles estão?

Lançava as questões ao homem. Seu tom de voz era agora calmo e não expressava sentimento algum, além de, apenas com seu olhar, buscar analisar o semblante daquele homem, tal como as palavras que diria a seguir.
Nico'
Nico'
Treinador

Treinador

Alertas :
Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Left_bar_bleue0 / 100 / 10Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Empty Re: Ato 02 — Vendeta.

Mensagem por Ayzen em Sex 03 Jul 2020, 22:48




Quarta, 01h35min - Rutsboro City
"Lua crescente, poucas nuvens no céu. 19ºC"  


Aquele beco parecia mudar de rumo. Enquanto a garota que tinha sido agredida era a vítima ali há pouco tempo, agora era o agressor que se tornava vítima. Preso pela mordida de Mightyena, o homem tremia e até algumas lágrimas de dor escorria em sua face, enquanto Nico estava desdenhando daquele momento. - Ora, seu... Arg- tentava deter ou descontar o desdenho de Nico, mas Mightyena apertava ainda mais o braço, fazendo-o parar... Enquanto o Full restore era usado no corpo da hiena, o menino demonstrava uma personalidade terrível... Isso, até, quando Jigglypuff intervir com seu choro...

Nico reagia ao pedido de Jigglypuff, que naquele momento, reagia como se Emma estivesse ali. Não era pouco que os pokémons pegavam alguns traços de personalidade dos seus treinadores. O menino logo conseguia se segurar... Sua face demoníaca evoluía e regredia naquele beco, enquanto o questionamento era feito... Claro, o moreno se viu surpreso. Seus cabelos longos eram jogados para trás em um movimento de cabeça. Um sorriso sádico disfarçava a dor que sentia e agora ele olhava no fundo dos olhos de Nico.

- Olha, seu merdinha, se quisesse uma indicação para entrar para os rockets eu mesmo te dava, não precisava disso... ARGH!- mais uma vez Mightyena apertava o braço, na altura do pulso dele, fazendo com que o ar do moreno parasse. Ele tinha se confundido, achando que Nico queria uma indicação para ser rocket, que só viria de outro rocket, o que significava, que além de estuprador, ele era um criminoso... - Dá para pedir este demônio para me soltar?! – dizia, enquanto Mightyena permanecia inteiramente bem depois do item medicinal.




Progresso da Rota - Nico:


Lv.19


  

Charmeleon


51/51

     
Lv.23


 

Mightyena


65/65

     
Lv.  
♀  


 

Pichu Egg


[45/60]


   
Lv. 12 
♀  


 

Nincada


8/41

   



Ganho de Experiência:

- Mightyena recebeu 3583 EXP por vitória contra NPC nas Ruas de Rutsboro
- Nincada recebeu 3583 EXP por vitória contra NPC nas Ruas de Rutsboro

Capturas:

-  -x-

Itens:

- Usou três potion em batalha [01]
- Usou uma oran berry em batalha [0]


Ayzen
Ayzen
Ace Trainer II

Ace Trainer II

Alertas :
Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Left_bar_bleue0 / 100 / 10Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Empty Re: Ato 02 — Vendeta.

Mensagem por Nico' em Sab 04 Jul 2020, 03:33

Imprevisível era a palavra que melhor descrevia o cenário. Nicholas tornava a si no momento em que as memórias de Emma invadiram seu intrínseco, fazendo-o ser quem realmente era. Seu conflito interno havia cessado, ao menos momentaneamente. O lado oculto de Nico era um paradoxo: ao ver qualquer tipo de injustiça, seu furor torna-se um sadismo inexplicável, como uma indomável fera que injeta sua peçonha e assiste o outro morrer lentamente. Por mais que seu emocional organizara seus sentidos naquele instante, ainda sentia raiva.

Haviam raptado aquela garota que significara muito para ele. Possivelmente, nem mesmo um monge, com todo o seu treinamento e experiência de vida seria capaz de conter suas emoções coléricas naquela situação. Fora uma situação excepcional, onde os cachorros do âmago outrora escuso do loiro mostraram suas afiadas presas.

Aquele chute no homem fora o suficiente para satisfazer seu ego.

Divagava sofre todas as suas frases e ações enquanto estivera fora de si. Seria prudente manter aquela personalidade oculta para todos, principalmente a Emma; o que ela pensaria ao ver aquilo? Será que ela ainda seria capaz de amar o loiro sabendo que agia daquela maneira quando a vingança já lhe era tão calorosa. Era um labirinto, e Nico sequer tinha noção de onde estava.

Enquanto o homem de madeixas enegrecidas grunhia de dor, o treinador tomou a carta da garota e mãos. Seus olhos ziguezaguearam por aquele pedaço de papel, até chegar na parte em que Emma dizia que o amava. Aquelas palavras poderiam ser o suficiente para manter aquele lado sombrio trancafiado por muito mais tempo com o auxílio de Jigglypuff.

Ao menos, era o que esperava.

Enquanto relia a carta, as palavras do homem entraram no ouvido de Nicholas como uma lâmina perfurando o órgão de alguém. Recomendação para entrar nos Rockets? O loiro não era trouxa e nem nada. Era natal de Kanto, e o dono do pokémarket em que trabalhara era um homem experiente, tendo algum conhecimento mínimo acerca da organização criminosa. Para manterem-se no sigilo e operarem no submundo do crime, era possível fazer parte deles apenas se alguém de dentro indicasse. O moreno, em meio a provocações, dizia que poderia indicá-lo para aquela instituição criminalizada.

As palavras seguinte sequer foram processadas pelos tímpanos do loiro. Seu sangue fervera, quase na temperatura capaz de fundir ouro. Seus punhos cerravam-se abruptamente, pressionando a palma das mãos com força tamanha. Abaixou seu rosto vazio e encarou o chão, fechando seus olhos momentaneamente no processo.

Como um filme, todas aquelas cenas da rota 101 tornaram a lhe atordoar. Desde a primeira vez em que se viram até aquele fatídico encontro, onde duas estrelas se desencontravam. Como outrora, o sentimento de culpa preenchia a frágil alma de Nicholas, martirizando-o por ser fraco a ponto de não proteger alguém que lhe era tão terno.

Pobre alma — ambas.

Em ímpeto, Nico lançou-se contra o homem deitado no chão. Pressionou o pescoço do homem com seu antebraço esquerdo, enquanto com os punhos ainda cerrados, ergueu sua mão direita. Em um movimento de diagonal, buscava atingir com força a fronte do moreno. Mal deu tempo de seus punhos descansarem, que já recuou aquele mesmo braço e projetou seu membro ocluso mais uma vez contra aquele homem. Tentou tomá-lo pela gola, balançando-o algumas vezes no processo.

Estava com o seu furor tornando após um ínfimo descanso. Fora um turbilhão emocional aquelas frases ditas pelo estuprador, pois suas divagações começaram a se tornar rotineiras.

— Onde é que ela está, seu filho da puta? Onde ela está?! Cadê a Emma?! — enquanto chacoalhava-o, rangia seus dentes em raiva. Parecia mais dosada do que aquele ódio recente; e que esse outro “Nico” mantenha-se longe dele ainda por muito tempo.
Nico'
Nico'
Treinador

Treinador

Alertas :
Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Left_bar_bleue0 / 100 / 10Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Empty Re: Ato 02 — Vendeta.

Mensagem por Ayzen em Sab 04 Jul 2020, 17:57




Quarta, 01h35min - Rutsboro City
"Lua crescente, poucas nuvens no céu. 19ºC"  



Nico tentava ao máximo controlar a sua personalidade demoníaca, que agira sob a égide da justiça. Cartas, lembranças, qualquer coisa era evocada naquele momento de noite escura e fria para que a sua personalidade agressiva fosse contida... Jigglypuff fazia parte do seu trabalho, enquanto, o loiro se perdia em tudo... Ok, estava dando certo, se não fosse o coração do menino não notar que além de estuprador, o homem ali no chão era Rocket também! Claro, tinha que ser! Não que todos os rockets fossem estupradores... Acho que tinha uma grande diferença de ser um criminoso e um estuprador, mas sempre a organização filtrava os piores dos piores, mesmo que sem querer.

Os chutes e socos eram deferidos no homem caído. Mightyena forçava ainda mais os seus dentes no pulso do homem, que agora deitado no chão, usava o outro braço, já ferido, para tentar se defender. O que doeria mais? Um braço já destroçado sendo atingido por um golpe ou um local previamente saudável sendo agredido? Parecia uma escolha difícil a se fazer... Em seu furor de energia macabra, Nico castigava o menino ali no chão com golpes e mais golpes, enquanto Jigglypuff assistia o moreno sofrer o espancamento... Claro que Nicholas era magros e sem grande composição muscular... Mas também tinha os seus 17 anos, altura, osso pesava também, né? Aquilo tudo fazia a agressão ter o potencial de se tornar mortal!

Enquanto os golpes vinham, com questionamentos do paradeiro de sua amiga, o rocket apenas tremia de dor, enquanto gemia e tentava dizer que não conhecia nenhuma Emma... Claro que ele nunca soubera os nomes de todas as suas vítimas, afinal, pouco se engana quem julgasse que fosse a primeira vítima dele naquele corredor. O rocket parecia convicto de que nenhuma fosse Emma... Mas quem disse que isso pararia Nico?

O menino continuava em sua ira, enquanto sentiu um peso em sua perna. Era Jigglypuff! O Pokémon balão, caindo em lágrimas, gritava em sua própria língua enquanto abraçava o membro inferior do garoto. Queria que ele parasse. Mesmo no mundo Pokémon, regido de batalhas, aqueles tipos de condutas estavam longe de serem promissores ou fáceis de assistir... O Pokémon, naquele momento, faria o papel em que Emma quisesse que ela fizesse... Todo aquele choro não só molhava a calça do rapaz, como revelava para o Pokémon balão que Nico de fato era... Nunca mais Jigglypuff olharia para Nico da mesma forma, embora fosse ele a sua única esperança de recuperar sua treinadora...



Progresso da Rota - Nico:


Lv.19


  

Charmeleon


51/51

     
Lv.23


 

Mightyena


65/65

     
Lv.  
♀  


 

Pichu Egg


[46/60]


   
Lv. 12 
♀  


 

Nincada


8/41

   



Ganho de Experiência:

- Mightyena recebeu 3583 EXP por vitória contra NPC nas Ruas de Rutsboro
- Nincada recebeu 3583 EXP por vitória contra NPC nas Ruas de Rutsboro

Capturas:

-  -x-

Itens:

- Usou três potion em batalha [01]
- Usou uma oran berry em batalha [0]


Ayzen
Ayzen
Ace Trainer II

Ace Trainer II

Alertas :
Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Left_bar_bleue0 / 100 / 10Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Empty Re: Ato 02 — Vendeta.

Mensagem por Nico' em Dom 05 Jul 2020, 14:39

Um abraço com forças menores pressionava o membro inferior era capaz de parar o garoto naquele seu momento de ira. Não só o crime que aquele homem cometera, como a revelação de fazer parte da organização criminosa que agora assombrava todas as memórias do loiro engatilhavam todos os sentimentos negativos outrora reprimidos em seu intrínseco. Culpa, ódio e aquela maldita sensação de incapacidade.

Pobre Nicholas: não era vítima apenas dos rockets, como também de si mesmo.

Sentira a sua calça umedecer simultâneo ao som lamurioso do choro da fada. Nico largou o bandido enquanto fitava Jigglypuff. Seu cenho demonstrava raiva alguma, muito pelo contrário: confusão e tristeza. Era difícil dizer se a criatura entendia aquele frágil ego, que sempre se poupou ao máximo daquelas situações e sucumbira diante do primeiro obstáculo. Perder a garota que lhe conquistara a confiança para bandidos assombrava a mente de Nicholas, deixando-o em um estado de confusão nunca dantes visto. Suas janelas já maltratadas por todas as suas memórias encaravam a rechonchuda, com semblante de provável arrependimento por ter se entregue ao furor tão facilmente.

Suas mãos agora coloridas com um leve tom rubro graças aos golpes desferidos contra o Rocket foram na direção de seus olhos anis. Uma lágrima ameaçou transbordar, como um urro de dor daquela alma já tão atormentada. Nem mesmo um pokémon com alguma habilidade sobrenatural conseguia decifrar aquele bramido tão melancólico materializado na forma de uma gotícula de água que pendeu a sair do corpo esguio — embora atlético — de Nicholas, contudo interrompido por suas lesadas mãos. Lentamente, seus membros suavemente carmins foram até o monstrinho do tipo normal, erguendo-o até a altura de seus olhos.

— Ela faz mais falta do que você pensa, Jigglypuff — exprimiu, com sua voz fraca, audível apenas para a fada. — Não era para ela estar lá, e sim eu. Foi tudo culpa minha. Me desculpe.

Envolveu-a em um abraço sorumbático. Pressionava Jigglypuff contra seu peito, como o maior tesouro que qualquer pessoa protegeria. Era como se a fada fosse uma projeção da personalidade de Emma. Aquela barreira tão concreta que fora quebrada com maestria pela treinadora, e de repente, fora tomada de seus braços. Sabe-se se era possível Nicholas tornar ao seu estado normal.

Levantou-se então. Mais uma vez, tornou a fitar o rosto agora machucado do bandido com desdém, porém, seus orbes passavam um ar determinado. Por mais que a adrenalina corria por suas veias e seus extintos mais animalescos tendiam a mandar Nicholas terminar com aquele ser tão asqueroso, resolveu não dar ouvidos aos mesmos. Andou mais um pouco até achegar-se daquele corpo já quase moribundo. Com um sinal de mão, pediu para Mightyena soltar de seu braço, mas continuar alerta: em caso de ataque surpresa ou tentativa de fuga, o canídeo agiria.

— Vou tentar ser mais claro dessa vez — agachou-se, tentando transmitir mais eutimia em sua voz. — Estou em busca de um trio de Rockets, comandados por um ruivo, alto e velho. Eles raptaram uma garota loira na rota 101. Onde é o esconderijo deles?

Quiçá, o malfeitor já fora capaz de entender do que o loiro era capaz de fazer. Acreditava que se não falasse por bem, o faria por medo diante das faces diabólicas que Nicholas mostrara até ali. Seus orbes cerúleos não desviavam da silhueta lesada do Rocket, por mais que os demais sentidos do loiro estivessem alerta ao redor. Tinha também seu canídeo e Jigglypuff para ajudá-lo em caso de qualquer aparição repentina.

Isto é: se Jigglypuff realmente entendesse o embate que acontecia no interior de Nicholas.
Nico'
Nico'
Treinador

Treinador

Alertas :
Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Left_bar_bleue0 / 100 / 10Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Empty Re: Ato 02 — Vendeta.

Mensagem por Ayzen em Dom 05 Jul 2020, 19:38




Quarta, 01h35min - Rutsboro City
"Lua crescente, poucas nuvens no céu. 19ºC"  


Aquele parecia ser o beco mais INTENSO de Rutsboro. Nico era pego pelo abraçar e soluçar da fada. A Pokémon trazia consigo ainda uma aura de sua mestra, que era gentil, doce, tinha compaixão... Nico logo se desmontava, lembrando-se do porquê de estar ali... Enquanto abraçava Jigglypuff, ouvia o gemido de dor do homem no chão. Estava fraco demais, depois de seguidos golpes que recebera. Mightyena só soltara o seu braço quando o treinador mandou. A abordagem seria diferente... Bem, não era porque ele era rocket, que ele sabia onde os outros rockets estavam, não é, mesmo? Aparentemente não passava de Grunt recém admitido...

- E-eeu...- a voz fraca se perdia no meio do beco. Estava deitado de costas ao chão, enquanto seu nariz sangrava e em sua boca acumulava sangue com saliva, tendo que virar de lado para deixar escorrer. Ele ficava de costas para o menino, enquanto apoiava o cotovelo no chão para tentar levantar, ao menos, ficar sentado. Ambos os pulsos sangrentos. O corpo começava a requerer o sangue perdido pelo Dark. O homem parecia tenebroso diante da opção que recebera... Informações!

Ele poderia mentir, afinal, como saber se fosse verdade... mas não... Agora, o medo era dele... Nicholas não era um cara que intimidaria ninguém. Seu corpo magro e fronte de menino de família era muito meigo. Mas aquele grunt percebia que debaixo daquela casca oca, um demônio dormia. Ele não iria se arriscar de novo... - E-eu.. Eu não sei...- a primeira resposta não trazia uma boa reação em Mightyena. A hiena rangeu os dentes em ameaças. Embora de costas, Nico percebia o arrepio na espinha do homem, que temeu pela sua vida por conta disso, e tirou forças de onde não tinha para concluir a sua fala:

- Não há esconderijos oficiais em Rutsboro... Cada rocket vive como pode... Não é uma organização que presa em equipar tanto os seus integrantes, mas eles dão equipamento de disfarce... Se eles estão em Rutsboro, de certo, estão em algum prédio abandonado no sul da cidade... - tossia mais uma vez, enquanto a baba com o sangue escorria em sua fronte. - Tem uns meninos de rua na parte sul... Eles sabem de tudo o que acontecem nas ruas... São batedores de carteira nas horas vagas e informantes dos rockets, polícia e rangers... De quem pagar mais... Eles podem ter visto algo diferente... Eu não tenho nada a ver com isso... - concluía na tentativa de impedir a punição do menino. - Já tenho pecados demais para acumular dos outros...

De algum jeito, Nico entendia o temor do homem de encontrar alguém mais preparado do que ele. Ele tremia pela dor que sentia. Agora, o menino tinha apenas uma pista! Uma única pista... Ala sul, prédios abandonados, informações com pivetes de rua (que deveriam estar dormindo a essa hora, né?). Era melhor do que fazer Mightyena farejar uma metrópole inteira...



Progresso da Rota - Nico:


Lv.19


  

Charmeleon


51/51

     
Lv.23


 

Mightyena


65/65

     
Lv.  
♀  


 

Pichu Egg


[47/60]


   
Lv. 12 
♀  


 

Nincada


8/41

   



Ganho de Experiência:

- Mightyena recebeu 3583 EXP por vitória contra NPC nas Ruas de Rutsboro
- Nincada recebeu 3583 EXP por vitória contra NPC nas Ruas de Rutsboro

Capturas:

-  -x-

Itens:

- Usou três potion em batalha [01]
- Usou uma oran berry em batalha [0]


Ayzen
Ayzen
Ace Trainer II

Ace Trainer II

Alertas :
Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Left_bar_bleue0 / 100 / 10Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Empty Re: Ato 02 — Vendeta.

Mensagem por Nico' em Seg 06 Jul 2020, 01:15

De fato, o loiro não se importava com o estado de saúde daquele homem após receber diversos golpes em sua face. Mesmo são, entendia que um estuprador deveria receber as devidas punições: terrena e divina. Por mais que Jiggluypuff estava em seus braços, sendo envolvida por todo aquele emaranhado de sentimentos de Nicholas apenas em sentir o calor que emanava do mesmo, o garoto não recuava em suas decisões um instante sequer. Achava justo, no fim das contas.

Acompanhou com seus ouvidos alertas o rocket erguendo-se, ficando de costas para o treinador. Morosamente, projetou seu corpo para ficar sentado, sentindo os efeitos colaterais não apenas dos ataques de Nico, como também das mordidas do canídeo. Era notório aquela sensação horripilante percorrendo suas espinhas, por estar face a face com alguém que, mesmo não aparentava, era portadora de uma personalidade demoníaca outrora oculta, precisando de um mínimo incentivo para que viesse à tona.

Por mais que a fada parecia temer aquela face recôndida que Nico mostrara, serviu, em contrapartida, para que o bandido o temesse, a ponto de não levantar um único dedo contra o loiro.

O medo era notório em sua voz. Balbuciava, tentando cuspir aquela mescla de saliva com o líquido carmim que esbanjava depois de ser vítima de tantos socos de Nicholas, buscando forças para conseguir formar uma única frase: de que não sabia de nada. De imediato, Mightyena rangera os seus dentes, em um claro tom de ameaça. A personalidade da hiena era, de fato, aprazível e calorosa; contudo, era leal a Nico que seguia até mesmo suas oscilações de personalidade, fazendo o necessário para que não o desapontasse — podemos colocar na conta também que estava diante de um estuprador, o pior dos bandidos.

Recompôs-se, tornando a falar com mais clareza tudo o que lhe fora indagado. Ainda de costas, Nicholas semicerrou seus olhos, concentrando toda a sua audição na fala seguinte do homem. Nico já esperava de que eles não tivessem uma base de operação oficial, afinal de contas, caso existisse, sua missão de resgatar Emma se tornaria praticamente impossível. Sempre ouvira alguns rumores sobre uma base Rocket em Celadon, em sua terra natal. O loiro nunca quis realmente averiguar, já que vivia muito longe de lá e saber sobre aquela maldita organização não lhe apetecia. Enquanto em Kanto, focava apenas em conseguir alguma renda extra para ajudar nas contas de casa.

A pista a seguir já era mais interessante. Ao sul da cidade, existiam prédios abandonados que era possível onde estivessem. Garotos de rua trabalhavam como informantes para quem quer que fosse, desde que pagasse melhor. O Rocket moribundo tornava a declarar de que não sabia de nada, e a julgar pelo medo que o próprio loiro notou, era potencialmente verdade. Parecia até mesmo que o bandido lhe clamava misericórdia, exprimindo de que já tinha muitos pecados na conta.

Por dentro, Nicholas pensou em realmente terminar o serviço. Partindo do pressuposto de que quem estupra uma garota, já estuprou outras, o loiro julgava de que apenas deixá-lo à sorte ali ainda era misericórdia, sendo necessário arrancar todo o seu fôlego de vida. Sua personalidade sombria ainda dava alguns espasmos diante daqueles pensamentos; Nico cerrava seus punhos, reunindo forças — físicas e mentais — para que mantivesse o controle diante daquela situação melindrosa.

Colocou a fada sobre seus ombros, recolhendo Nincada para a sua esfera bicolor por meio do feixe de luz vermelho-sangue. Guardou-a em seguida.

Arqueou sua mochila para frente, abrindo o bolso maior. Vasculhou alguns itens, achando uma garrafa de água que estava parcialmente cheia e algumas bandagens. Sem dizer nada, encarou a silhueta do caído Rocket à sua frente, tornando a segurar sua cólera. Respirou fundo, arremessando o recipiente com o líquido transparente e os instrumentos para primeiros socorros ao lado da silhueta do homem.

— Então, leve-me até lá e negocie com esses moleques — disse, com sua voz sendo tão fria quanto o sibilo do vento naquela madrugada em Rustboro. — Você vai na minha frente apenas por garantia. Já viu o que sou capaz de fazer, então acredito que tentar me trair não seja lá a melhor opção, não é? Eu deixo você ir embora ileso caso fale com aqueles garotos e me dê a localização desses homens, mas saiba que é por um capricho meu. Caso não consiga, você vai ser entregue para a polícia, ou muito pior: vai ter que lidar comigo. Entendeu?

Não era um convite, e sim uma intimação mediante ameaças. Nicholas não contaria de que o homem teria audácia o suficiente para desafiá-lo uma segunda vez, levando em conta até mesmo o medo daquele homem que era tamanho, a ponto de chegar até mesmo aos sentidos do loiro. O treinador não conhecia muito da cidade, ao contrário do Rocket, que parecia ter noção de onde se movimentar, e de como se portar diante de informantes — mesmo que involuntariamente — do mundo do crime.

Por mais ousada que fosse a decisão de Nicholas, ele estaria pronto para agir em caso de qualquer imprevisto. Justamente por isso que Mightyena vigiaria o homem.
Nico'
Nico'
Treinador

Treinador

Alertas :
Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Left_bar_bleue0 / 100 / 10Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Empty Re: Ato 02 — Vendeta.

Mensagem por Ayzen em Seg 06 Jul 2020, 02:06




Quarta, 01h35min - Rutsboro City
"Lua crescente, poucas nuvens no céu. 19ºC"  


As informações ainda eram poucas para Nico, embora começava a se construir um caça aos tesouros naquela região. Bem, o tesouro maior era Emma. O menino sabia que poderia ser mentira ou que precisasse do homem em sua frente para poder direcioná-lo. O item caia ao lado rocket, fazendo-o olhar de forma rápida e espantado. Um leve olhar para trás era feito pelo estuprador para encarar Nico em sua artimanha. - Você é insano?!- o homem logo se pós a gritar naquele beco, em uma coragem resgatada sabe-se de lá onde veio.

Mightyena não toleraria aquele comportamento. Quando ameaçou avançar sobre ele, o homem logo catou a garrafa e as ataduras e se arrastou para trás, chocando suas costas contra a parede. Os seus estavam ainda caídos ali, enquanto ele olhava de forma esperançosa para Drowzee. O pokémon nem se movia.

- É madrugada. Quem você acha que encontrará lá? O nome “menino de rua” não quer dizer que eles dormem nas ruas... Eles têm onde ficar para dormir... Durante o dia eles ficam lá, batendo carteira. Às vezes batendo carteira. Além do mais, Rutsboro é uma metrópole. Demoraríamos umas 3 horas até lá se fomos caminhando, afinal, nem ônibus passa por agora. - e isso talvez fosse verdade, tanto que o ônibus que Nico pegou desviou de seu caminho para não deixar um menino treinador nas ruas sozinho.

Agora o Rocket pegava a água e lançava nas feridas feitas pelo cachorro. Estavam bem feias e ardia ao toque do líquido, que nem estava tão gélido assim. Uma face de dor era vista, enquanto ele derrubava a garrafa no chão. A perda do tônus muscular era notória. - Eu já disse o que eu sabia... deixe ir.- o pedido era feito com um toque de melancolia. Quem olhasse de longe realmente veria Nico como vilão e aquele cara como vítima.

Enfim, luzes vermelhas e azuis eram vistas, como se tivesse longe, mas sua intensidade conseguia fazer com que a atenção do moreno no chão fosse chamada. O olhar de esperança dele vinha agora da... Polícia?! Bem ele não estava totalmente errado, afinal, se os policiais encontrassem aquela cena, acreditaria que Nico estivesse fazendo um bem? Ok, pela lei talvez aquilo fosse criminoso e o levasse para a prisão, enquanto Emma era detida como refém, sabe-se lá para quê? Possivelmente, para que eles conseguissem dinheiro no sequestro dela...


Progresso da Rota - Nico:


Lv.19


  

Charmeleon


51/51

     
Lv.23


 

Mightyena


65/65

     
Lv.  
♀  


 

Pichu Egg


[48/60]


   
Lv. 12 
♀  


 

Nincada


8/41

   



Ganho de Experiência:

- Mightyena recebeu 3583 EXP por vitória contra NPC nas Ruas de Rutsboro
- Nincada recebeu 3583 EXP por vitória contra NPC nas Ruas de Rutsboro

Capturas:

-  -x-

Itens:

- Usou três potion em batalha [01]
- Usou uma oran berry em batalha [0]


Ayzen
Ayzen
Ace Trainer II

Ace Trainer II

Alertas :
Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Left_bar_bleue0 / 100 / 10Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Empty Re: Ato 02 — Vendeta.

Mensagem por Nico' em Seg 06 Jul 2020, 20:32

Nicholas já não se importava tanto se o homem gritava ou tentasse demonstrar qualquer tipo de resistência. Quisesse ou não, já estava preso emocionalmente — de maneira negativa — ao loiro, possivelmente por aquele lado negro mostrado outrora. Viera outra explicação a seguir, sobre como aqueles garotos agiam naquele canto da metrópole de Hoenn. Nico queria usá-lo para conseguir as informações e então partir em resgate, contudo, não disfarçava sua face decepcionada para com a resposta do Rocket.

Seu pedido, apesar de sorumbático, não fazia efeito nenhum para a mente de Nicholas. Para o treinador, ele não passava de um merda que, na primeira oportunidade, estaria fazendo outra vítima de suas mãos e intenções imundas. O tom melancólico da voz do Rocket apenas provocavam aversão aparente na face do loiro, que calcorreava em sua direção em passos vagarosos. Era possível ouvir o ressoar dos passos do garoto naquele estreito beco.

Aproximou-se do bandido, agachando-se para manter seus olhos inexpressivos diante da face do malfeitor. Mightyena, sempre alerta, o acompanhava em cada passo, enquanto a fada sempre jazia em seu ombro.

— Você é um estuprador de merda. A morte ainda é muito pouco pra você — seu tom de voz parecera mais ríspido e mais sério que o comum.

Antes que pensasse em exprimir qualquer outra coisa, uma luz tricolor, ao longe, iluminava parcialmente a penumbra do beco. Tornou seu pescoço na direção daquela mescla de luzes, indicando que uma ronda policial monitorava as desertas ruas de Rustboro. Nico não escondera a sua visível cólera, já que os agentes escolheram percorrer aquele pavimento justo naquela hora que estava tão perto de ter um rumo.

Era hora de, quiçá, tirar algum proveito daquela situação. Tentaria utilizar de sua costumeira astúcia, já que o Rocket não fora tão claro o suficiente, e até mesmo decepcionante. Sim, suas informações eram importantes, todavia, era o suficiente para mais indagações surgirem para Nico: queria uma resposta, objetiva, que sanasse todas as suas dúvidas, aclarasse o caminho para onde Emma estava confinada.

Arqueou o seu corpo para cima, com seu tronco já direcionada na direção da saída do beco, indo de encontro com a polícia. Deu dois passos antes de volver seu pescoço para trás em noventa graus.

— Só vou deixar você embora porque se não vou me encrencar também, e por um capricho meu. Quero que desse dia antes de atacar qualquer garota. Se nos encontrarmos da próxima vez, irei terminar o que apenas comecei hoje — seu tom de voz era sombrio e empedernido. Tornou a andar na direção que seu corpo já estava projetado. — Agora, vá.

Sua caminhada na direção da viatura era como um divisor de águas. Aos poucos, Nicholas parecia equilibrar seu âmago, buscando reunir os dois opostos de sua personalidade. Claro, a figura de Jigglypuff ao seu lado era fator importante para que não perdesse o controle — ao menos naquele momento. Por mais sério que fosse, em outro momento, seria difícil dizer se Nico teria o sangue frio para agir em uma situação tão melindrosa quanto essa atual. Sua personalidade analítica parecia encontrar um plateau ao emaranhar-se com seu lado nunca desperto.

A racionalidade deve sempre tender ao equilíbrio, e essa capacidade o loiro sempre admirou. Viu, em momentos tão ínfimos, esfacelar-se diante do ódio que sentira naquele momento. Nicholas ainda era muito previsível para saber se continuaria assim até encontrar a garota ou, quiçá, o restante de sua vida; o que sabia era que aquela experiência era um marco zero para um novo homem sair daquele beco.

Já fora do beco, era a hora de tornar a atuar.

Com seu canídeo ao seu lado e a rechonchuda em seu ombro esquerdo, sinalizou para os dois que dançassem conforme a música que ele tocaria. De imediato, levou sua mão destra na direção da testa, semicerrando seus olhos até que sua retina adaptasse seu cristalino para aquela frequência de três cores lançadas pelo carro da polícia. Em poucos segundos, já familiarizado com aquele cintilo, começou a balançar o mesmo membro que outrora usou como anteparo para as suas vistas, acompanhado de um inocente sorriso.

— Poderiam me ajudar, por favor? — pedia, buscando passar inocência em sua voz para que fosse possível cooperar com os policiais, seja lá o que acontecesse.

Torcia, apenas, para que naquele intervalo de tempo de sua caminhada até as ruas, o Rocket fugisse. Pensava que o medo que causara nele seria o suficiente ao ponto de o estuprador nunca mais querer ver uma única silhueta com madeixas douradas. Ademais, se ele ficasse, iria direto para a cadeia, ou o acusaria de agressão.

Independente se a garota de outrora houvesse chamado a polícia ou fosse apenas uma ronda rotineira, Nicholas estaria disposto a colaborar para que atingisse seu atual objetivo: chegar ao sul da cidade rapidamente.
Nico'
Nico'
Treinador

Treinador

Alertas :
Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Left_bar_bleue0 / 100 / 10Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Empty Re: Ato 02 — Vendeta.

Mensagem por Ayzen em Seg 06 Jul 2020, 21:46




Quarta, 01h35min - Rutsboro City
"Lua crescente, poucas nuvens no céu. 19ºC"  


O rocket no fim do beco estava ainda temendo por sua morte, até a permissão de Nico sair para que ele fosse. Talvez o homem profanasse xingamentos inimagináveis enquanto observava o menino sair dali, mas o certo é que ele titubeou com aquelas ataduras mal colocadas, mas que estancaria o sangue até ele chegar ao hospital mais próximo. Os passos do garoto forasteiro ecoavam nas ruas de Rutsboro vazias. O centro da cidade era uma verdadeira cidade fantasma. O menino cada vez mais ouvia os passos do outro mais velho se distanciando, ora correndo, ora esbarrando em coisas. Mightyena ignorava aquilo.

Nicholas ia direto ao carro policial, que passava pelas ruas bem lentamente. Era mais uma noite fria e calma para os policiais da cidade, até ver um jovem de 17 anos com dois Pokémons no meio da rua. Era suspeito? Era! Era necessário abordar? Na verdade, não, porque Nicholas que abordava o carro dos policiais, que paravam ali.

Eram uma dupla. Um homem negro alto e forte, bem boa pinta, dirigia o veículo, enquanto estava fardado com o uniforme azulado e sua boina. Ele arqueava a sobrancelha ao menino quando parava próximo de Nico. Seus lábios grossos iam ensaiar a abordagem, mas seu parceiro, um loiro de olhos escuros e cabelos lisos longos tentava controlar seu agitado Growlithe que respirava ofegante dentro do veículo e parecia interessado em interagir com Nico e Mightyena. Após o loiro policial conseguir conter o seu Pokémon, o negro sério questionava:

- O que está fazendo nas ruas a essa hora, garoto?! É perigoso, você pode ser assaltado ou atacado.- pobre policial inocente, mal sabia ele que o perigo ali era o psicopata do Nico.


Progresso da Rota - Nico:


Lv.19


  

Charmeleon


51/51

     
Lv.23


 

Mightyena


65/65

     
Lv.  
♀  


 

Pichu Egg


[49/60]


   
Lv. 12 
♀  


 

Nincada


8/41

   



Ganho de Experiência:

- Mightyena recebeu 3583 EXP por vitória contra NPC nas Ruas de Rutsboro
- Nincada recebeu 3583 EXP por vitória contra NPC nas Ruas de Rutsboro

Capturas:

-  -x-

Itens:

- Usou três potion em batalha [01]
- Usou uma oran berry em batalha [0]


Ayzen
Ayzen
Ace Trainer II

Ace Trainer II

Alertas :
Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Left_bar_bleue0 / 100 / 10Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Empty Re: Ato 02 — Vendeta.

Mensagem por Nico' em Ter 07 Jul 2020, 01:38

Nada demais até então. A abordagem amigável da dupla de policiais fizera com que Nico, internamente, respirasse aliviado por não suspeitarem de nada. O soído dos passos se encaminhando para o outro lado do beco auxiliava o loiro em seu ousado plano, já que a polícia não lhe era necessário até então.

Buscou tingir um sorriso mais receptivo e simpático em seu semblante, para disfarçar todos aqueles acontecimentos com o Rocket. Nico atuava com extrema maestria; fazia parte de sua personalidade fazer o que for necessário — desde que não haja nada hediondo — para conseguir seus objetivos, e ele tinha em mente, e por isso, prosseguia com seus planos mirabolantes.

Olhou para o banco de trás, vendo o pequeno cão alaranjado natural de seu continente parecendo buscar uma interação para com o garoto e seu canídeo. Não que Nicholas odiasse interagir com todo e qualquer tipo de sujeito, preferindo manter-se em uma redoma criada pela sua mente, mas as circunstâncias estavam longe de ser boas para falar com qualquer cidadão naquele instante.

Ao ver de relance aquela cena entre o policial loiro com seu Growlithe, fitou o segundo, que o abordava gentilmente. A mão direita de Nico foi até a sua nuca, coçando seus cabelos dourados enquanto adornava seu cenho com um sorriso despreocupado e inconsequente, tal como inúmeros treinadores novatos — a roupagem lhe servira bem até então, não era hora de trocá-la.

— Ah, sim, claro. Eu estava pensando em ir até o sul da cidade, já que um parente de uma garota conhecida de tempos minha reside, mas acabei vindo parar nesse beco por um acaso — não desfazia sua feição inocente naquela aparência. Até mesmo seu riso abrangia uma área maior em seu rosto, buscando passar uma tranquilidade para os agentes. — Será que seria possível me levarem até lá, por favor?

Pedia com gentileza o favor para o policial, agora mais caro. Não tinha muito o que fazer naquela situação, a não ser aguardar.

off.:
Peço dsclp por qq erro ou confusão, é que eu tô com sono q PSICOPATA O CA*****
Nico'
Nico'
Treinador

Treinador

Alertas :
Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Left_bar_bleue0 / 100 / 10Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Empty Re: Ato 02 — Vendeta.

Mensagem por Ayzen em Ter 07 Jul 2020, 11:56

Off escreveu: Razz



Quarta, 01h45min - Rutsboro City
"Lua crescente, poucas nuvens no céu. 19ºC"  


O negro encarava o menino naquelas ruas. Deu ainda uma olhada para frente e outra para o retrovisor. Era inacreditável que um menino estivesse ali naquela hora e não dormindo. Não que Nico fosse uma criança, mas diferente de La Rousse, Rutsboro tinha poucas opções de entretenimento e sua grande maioria não ficava no centro da cidade. O olhar do policial loiro era mais aéreo e até meio desatento. Era como se a responsabilidade toda fosse entregue ao negro e o loiro estava ali só de suporte... O problema é: Nico acha que a polícia é Uber? O policial não gostou muito disso, mas era certinho demais para deixar o menino nas ruas.

- Entra ai, garoto;- a voz rouca do homem indicava positivo para que ele entrasse na viatura. Bem, ele parecia ser o policial mau, enquanto loiro o policial bom... Coisa típica de filme que o narrador colocava na rota.

O carro ligava a seta e fazia o retorno naquela rua mesmo. Nico ficava no meio, com Jigglypuff no colo. Em sua esquerda, Growlithe, após ser advertido pelo mestre loiro, ficava sentado balançando sua cauda e com a língua para fora. Será que o Pokémon tinha tomado café? Estava agitado demais. Mightyena apoiava-se na direita do banco. Como ninguém reclamou, a dark hiena do garoto mantinha um sentado quieto, estufando o peito e ignorando os olhares de pedidos para brincar do Fire ali.

O veículo descia as ruas, seguindo para o sul. O policial mantinha-se calado, mas o bonzinho parecia interessado em... Conversar? Algo do tipo.. - É muito curioso ter alguém assim nas ruas... Não tem nada aberto no centro... próxima vez tente pegar um ónibus mais cedo...- informava o policial, com um tom ríspido, forçado, tentando mostrar autoridade, mas não escondia o seu lado infantil. O que dirigia ignorava...

Distanciando do centro, era possível ver uma avenida que seria ponto de entretenimento da cidade, com quase todas as casas de comida fechada. Apenas um bar estava aberto, com poucos clientes. Já era hora de fechar também... Enquanto distanciavam-se desse local, pegava uma longa avenida. Cada vez mais os grandes prédios cinzentos estavam se tornando menos números. Os poucos prédios que se viam naquela área não passavam de três ou quatro andares. Mais casas, simples, nada luxuoso. Bem, talvez ali seja a parte residencial da cidade.

- E qual a rua em que sua amiga mora, rapaz?- questionava o homem, que dava a entender que iria deixar na porta da casa da tal menina e não sairia dali até que Nico entrasse...



Progresso da Rota - Nico:


Lv.19


  

Charmeleon


51/51

     
Lv.23


 

Mightyena


65/65

     
Lv.  
♀  


 

Pichu Egg


[50/60]


   
Lv. 12 
♀  


 

Nincada


8/41

   



Ganho de Experiência:

- Mightyena recebeu 3583 EXP por vitória contra NPC nas Ruas de Rutsboro
- Nincada recebeu 3583 EXP por vitória contra NPC nas Ruas de Rutsboro

Capturas:

-  -x-

Itens:

- Usou três potion em batalha [01]
- Usou uma oran berry em batalha [0]


Ayzen
Ayzen
Ace Trainer II

Ace Trainer II

Alertas :
Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Left_bar_bleue0 / 100 / 10Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Empty Re: Ato 02 — Vendeta.

Mensagem por Nico' em Ter 07 Jul 2020, 21:31

Quando a voz rouca do policial rasgou os ares, chegando até os ouvidos do loiro, o mesmo forçara mais um sorriso simpático, que se estendia entre as duas orelhas, buscando falsificar simpatia. Agradecia com a cabeça, dirigindo-se ao veículo. Sem delongar, chamou seu monstrinho para dentro do carro, que sentava a sua direita. À sua esquerda, Growlithe, simpático como nunca, com sua língua para fora, garrido, contrariando todos os estereótipos de cães policiais. Nicholas afagara a cabeça do pequeno, gargalhando para o mesmo.

Emma, em seu lugar, faria o mesmo que ele. Divagou naqueles milésimos enquanto suas mãos adentravam os pelos alaranjados do cão.

A viatura começava a tomar direção para o sul da metrópole. Embora seu exterior atuava como um adolescente tonto qualquer que andava pelas perigosas ruas de Rustboro, em seu interior, Nicholas já começava a esquematizar todo o seu plano assim que localizasse o esconderijo dos Rockets. Diante daquele externo tão simplório e cândido — claro, obviamente falso —, os policiais jamais suspeitariam até mesmo do que ocorrera naquele encontro entre duas nuvens carregadas, contudo, por ódio.

Hora ou outra, o garoto afagava o dócil Growlithe, buscando reforçar ainda mais sua ilusória imagem de adolescente inocente. Ah, se soubessem realmente quem Nicholas aprisionava em seu interior, e sua luta interna constante para conciliar aqueles traços tão lôbregos à sua personalidade costumeira, a fim de dar um fim àquela faca de dois gumes quando se rendesse aos sentimentos mais extremados.

Maldita Emma. Por que resolvera se deixar levar por aqueles homens? Não era mais fácil deixar Nico tomar o seu lugar? Maldita racionalidade, que, por mais treinada que seja, sempre perderá para o seu arquirrival: a emoção. Nicholas sentia na pele o peso de um laço, por mais repentino que fosse, dera sinais de ser tão rijo e afável que o mesmo jamais pudera pressentir.

As palavras do policial que nada dissera até então interromperam aquele momento com o cachorro dos agentes. Nicholas olhara surpreso, como se realmente ouvisse a chamada de atenção do vigilante. O homem negro, por outro lado, apenas se silenciava, quiçá focado apenas no caminho que se dirigia ao sul da grande metrópole de Rustboro.

— Da próxima vez, tomo mais cuidado com o horário. Peço desculpas — exprimira, buscando passar ainda mais daquela personalidade completamente diferente do que realmente era.

Um silêncio sepulcral se instalava na cidade das luzes. Era audível apenas o assobio do vento gélido da madrugada percorrendo as vias da cidade, assombrando portas e janelas. Os postes, acesos, forneciam apenas a iluminação necessária para o pavimento da cidade, enquanto os becos, imersos na penumbra, lares de homens tão asquerosos quanto aquele que enfrentou a instantes atrás. Pobres das almas que vagassem naquela metrópole, agora, calada.

A voz rouca do policial no volante cessou o silêncio no interior da viatura como uma indagação. Sem pretensão alguma, apenas querendo saber onde era a casa da “amiga” de Nicholas. O loiro esperava certo espírito altruísta da polícia, pois em seu tom de voz, era explícito de que deixariam o garoto e Mightyena justo na porta da residência, e sairiam apenas quando o loiro entrasse.

De fato, economizara muito tempo utilizando-se de mais um transporte. Todavia, o problema era que teria de envolver os policiais com sua astúcia, uma missão muito mais difícil que intimidar um criminoso pego em flagrante como o Rocket de outrora.

— Não precisam se preocupar comigo. Podem me deixar próximo aos prédios abandonados que consigo me localizar por lá. Vocês já fizeram muito por mim, e sou muito grato por isso — mantinha seu riso “inocente” a todo instante. O disfarce era necessário, e nem era possível saber se a dupla cairia no ludíbrio do treinador, guiado apenas pelo seu desejo de vingança.

Esperaria alguns minutos — cerca de cinco —, para romper com a barreira de silêncio no veículo, buscando mais algumas informações despretensiosamente. Era necessário, claro. Aquele trio de malfeitores, barulhentos como eram, poderiam ter deixado algum rastro para as autoridades locais. Possivelmente, colhê-las despretensiosamente ampliaria o campo de procura de Nicholas.

— Desculpem-me perguntar — levaria sua mão esquerda, que outrora acariciava a mão do cão laranja para suas madeixas douradas, coçando-as. —, mas como anda a cidade ultimamente? Aconteceu algo no dia de hoje? A cidade me parece bem calma.

Plantar verde para colher maduro era necessário. Joy, por ser afável demais, não imaginava que seria algo fora de sua área de trabalho. Ao pouco que analisou, era provável que o agente louro vazasse alguma informação; o guarda no volante era a maior preocupação de Nicholas, já que se mostrava sempre astuto. É como diz o ditado: vai que cola.
Nico'
Nico'
Treinador

Treinador

Alertas :
Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Left_bar_bleue0 / 100 / 10Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Empty Re: Ato 02 — Vendeta.

Mensagem por Ayzen em Ter 07 Jul 2020, 22:43




Quarta, 01h55min - Rutsboro City
"Lua crescente, poucas nuvens no céu. 19ºC"  


A direção naquela parte da cidade era sempre livre. Ninguém na rua. Era um bairro bem popular ali, uma ou outra casa se destacava de ser bem maior do que as outras e bem mais construída, mas era cercada de altos muros, que não permitia apreciar por completo aquele planejamento arquitetônico. Haviam inda outros prédios ou casa em construção, ainda em tijolo e até terrenos tomados pelo bairro, com placa de “Vende-se” em frente, e o número para contato. Os policiais passeavam naquela região, que era, sobretudo, calma.

O negro arqueava a sobrancelha encarando Nico pelo retrovisor. Não precisava ser um gênio para perceber que ele o policial achava aquilo absurdo, principalmente pela preferência do rapaz em querer ir para “prédios abandonados”. Se fosse eu ali, iria rir! Já o loiro não achou estranho a escolha do garoto. Se estivesse sozinho ali, certamente deixaria Nico onde ele quisesse, pois não achou estranha a escolha.

- Negativo, garoto. Me fale o endereço que eu acho no GPS.- dizia o policial, pegando o seu Pokénav (o menino identificava) e colocando em suporte no carro. O Equipamento abria direto no mapa de Rutsboro. O loiro nem ligava muito para aquela negação, era algo para ele que não merecia sua atenção, no momento, mas ele queria mesmo responder o questionamento do menino.

- Dia normal, nada de novo... Alguns arruaceiros fizeram briga em um bar, foram presos, mas já pagaram a fiança... Estavam bêbados... Acho que o pai de um foi busca-lo na delegacia e deu uma bronca na frente de todos... Menino mimado.- começava, em tom de descontração, como se narrasse mais um dia na delegacia. - A oficial Jenny brigou comigo mais uma vez pelo relatório...

- Eu já falei para você editar aquela p*rra direito...- o negro cortava a narração, também até entrando naquela conversa de narração do dia-a-dia.

- Ficamos de olho em todo e qualquer Jeep Compass preto, 2019 que teve em Rutsboro... A polícia de Oldale disse que três homens roubaram este veículo lá e a polícia rastreou até a saída de Petarlburg Wood. Os rangers até deram uma ajuda nisso, dizendo que estaria vindo para Rutsboro, mas a blitz de 18 horas não pegou nenhum....

- Eles já devem ter se livrado do carro... Deve ter pego para praticar um crime e soltou no meio da estrada... Logo os rangers acham, você vai ver!- parecia que o negro já tinha uma boa experiência no assunto de grandes crimes. - E você, garoto? Onde vai ficar? Quero o nome da rua e o número da casa...



Progresso da Rota - Nico:


Lv.19


  

Charmeleon


51/51

     
Lv.23


 

Mightyena


65/65

     
Lv.  
♀  


 

Pichu Egg


[51/60]


   
Lv. 12 
♀  


 

Nincada


8/41

 
   



Ganho de Experiência:

- Mightyena recebeu 3583 EXP por vitória contra NPC nas Ruas de Rutsboro
- Nincada recebeu 3583 EXP por vitória contra NPC nas Ruas de Rutsboro

Capturas:

-  -x-

Itens:

- Usou três potion em batalha [01]
- Usou uma oran berry em batalha [0]


Ayzen
Ayzen
Ace Trainer II

Ace Trainer II

Alertas :
Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Left_bar_bleue0 / 100 / 10Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Empty Re: Ato 02 — Vendeta.

Mensagem por Nico' em Qua 08 Jul 2020, 22:17

Merda.

Por mais que o policial nem ao menos suspeitava das intenções do loiro em descer por ali, o mesmo fazia questão de deixar o garoto na residência, quiçá apenas por precaução mesmo. Interiormente, o Nicholas fazia questão de amaldiçoar o motorista por aquela insistência inconsciente. Todavia, sem delongar muito, o outro seguia a narrativa do cotidiano da polícia de Rustboro. Nico apenas se fingia interessado pelas histórias, forçando até mesmo algum riso no canto dos lábios.

A discussão entre a dupla era hílare. O policial no volante cortava o relato de seu parceiro no momento em que este dissera da bronca de Jenny sobre o mesmo após um relatório mal editado. Coisas do trabalho, enfim. A narração não parava por aí. E chegava, por fim, a parte que interessava o garoto.

O segundo exprimiu sobre um Jeep roubado de Oldale que rumava por Rustboro. Os suspeitos eram três pessoas, que conseguiram escapar da patrulha policial que os perseguira assim que saíram de Petalburg Woods. Ora, o loiro passou a pensar um pouco na suspeita, e nem precisou derreter seus neurônios para saber de quem estavam falando. A carta de Emma era certeira, o que queria dizer era que aqueles filhos da puta poderiam estar mais próximos do que imaginam.

Naqueles instantes, Nicholas divagava sobre as inúmeras incógnitas que eram colossais diante até mesmo das inúmeras sinapses que seu cérebro fazia a fim de conseguir uma saída lógica para onde três bandidos poderiam se esconder. Era faro que, nas periferias, onde a tendência é haver menos rondas policiais, eles poderia estar; mas, e se não estivessem? As pistas apenas entregavam mais indagações para o aspirante a detetive, motivado apenas por sua raiva interna e desejo de ter a treinadora ao seu lado.  

Os comentários do guarda mais astuto faziam sentido, ainda mais para alguém que aparentava ter tanta experiência como ele. O veículo pode ter sido apenas usado para fugir da singela cidade até a metrópole, onde estariam maquinando sabe-se o que, utilizando a loira como refém.

Eram tantas as possibilidades do Rockets, e tão poucas as de Nico.

Depois de seus devaneios acerca do real paradeiro da garota, o treinador prestava atenção no motorista da viatura, tornando sua atenção e personalidade ilusória.

— Eu cheguei não faz muito tempo, então não conheço por nome de rua ou número. Apenas me deixar naquele ponto de referência antes já me ajuda muito. Mightyena está comigo, então não temos o que temer — dissera, após afagar Grotwlithe mais uma vez, e depois, o seu canídeo. — Aliás, sobre esse tal carro de Oldale: já tem alguma suspeita de quem estava conduzindo ou alguma ideia do paradeiro dos bandidos? Me parece realmente grave.

Quem não arrisca, não petisca. E lá vai Nicholas tentar garfar mais algumas informações.
Nico'
Nico'
Treinador

Treinador

Alertas :
Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Left_bar_bleue0 / 100 / 10Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Right_bar_bleue


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ato 02 — Vendeta. - Página 3 Empty Re: Ato 02 — Vendeta.

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado



Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 3 de 12 Anterior  1, 2, 3, 4 ... 10, 11, 12  Seguinte

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum